sicnot

Perfil

Cultura

Cante alentejano é Património Mundial há um ano

O primeiro aniversário da distinção do cante alentejano como Património da Humanidade, atribuída faz hoje um ano e que o tornou uma mais-valia para o Alentejo, vai ser comemorado até domingo na região e em Lisboa.

24 de novembro de 2014: Paulo de Carvalho, Janita Salomé e Rão Kyao integram um novo projeto musical dedicado ao cante alentejano e resultante de um desafio lançado pela Câmara de Beja a cantores e músicos, aproveitando a candidatura a Património da Humanidade

24 de novembro de 2014: Paulo de Carvalho, Janita Salomé e Rão Kyao integram um novo projeto musical dedicado ao cante alentejano e resultante de um desafio lançado pela Câmara de Beja a cantores e músicos, aproveitando a candidatura a Património da Humanidade

NUNO VEIGA


O cante alentejano, canto coletivo sem recurso a instrumentos, foi classificado a 27 de novembro de 2014 como Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, graças a uma candidatura apresentada pela Câmara de Serpa e pela Entidade Regional de Turismo.

Segundo os promotores da candidatura, a classificação trouxe um reconhecimento do cante à escala mundial e aumentou a responsabilidade na salvaguarda do bem.

A distinção também "abriu uma nova perspetiva do cante como fator económico", já que o bem se transformou "num produto turístico e numa mais-valia, que contribui para o reconhecimento e o desenvolvimento do Alentejo do ponto de vista do turismo", explicou à agência Lusa o coordenador da candidatura, Paulo Lima.

Para Ceia da Silva, presidente da Turismo do Alentejo, o cante, como forma cultural e de identidade do povo alentejano, tornou-se "uma mais-valia" turística, porque "a questão da identidade é decisiva na afirmação do destino turístico Alentejo" e a classificação trouxe para a região "um peso muito forte a nível identitário".

O "selo" da UNESCO, segundo Paulo Lima, também "aumentou, de forma exponencial", a autoestima por uma região, uma cultura e uma identidade por parte dos alentejanos, que olham para o cante "com uma dignidade enorme, o que é visível na adesão dos jovens à prática musical" e na criação de novos grupos corais.

Na opinião de Pedro Mestre, ensaiador de vários grupos corais alentejanos, os novos grupos criados por jovens estão a dar, "com garra e muito respeito", uma "outra abordagem e inovação" ao cancioneiro tradicional alentejano, o que "é muito importante" para salvaguardar o cante.

Segundo José Roque, da MODA - Associação do Cante Alentejano, "há alguns anos, havia um discurso negativo" sobre o futuro do cante devido à "preocupação com o envelhecimento dos grupos corais".

Mas, sublinhou, com a "erupção" da candidatura, que "mexeu com o Alentejo", os jovens, que "são cada vez mais a essência do cante", "perceberam que era hora de se movimentarem" e criaram grupos, que são "uma aposta na continuidade e no plano de salvaguarda" do cante alentejano.

A Câmara de Serpa e a Turismo do Alentejo estão a gerir a implementação do plano de salvaguarda do cante, que integrou a candidatura e inclui orientações para desenvolvimento de projetos por entidades para salvaguardar, valorizar, promover e transmitir às novas gerações o cante alentejano.

Para comemorar o primeiro aniversário da classificação, a Câmara de Serpa, as casas do Cante e do Alentejo e a Turismo do Alentejo promovem "a grande festa do Cante - Património Cultural Imaterial da Humanidade", que inclui iniciativas em Serpa, no distrito de Beja, hoje e no sábado, e em Lisboa, no domingo.

A apresentação do Roteiro Digital do Cante, de uma moeda comemorativa e do número zero da recuperada revista etnográfica A Tradição, dedicado ao cante e com fotos, textos e o dossiê da candidatura, espetáculos, exposições e conferências são ofertas do Cante Fest'2015.

O aniversário também é assinalado noutros concelhos alentejanos, como Beja, onde hoje há atuações de grupos corais em escolas e espaços comerciais do centro histórico, exposições em vários restaurantes e a instalação artística de fotografia "Retratos do Cante", na Praça da República.

Também hoje, em Ourique, é inaugurada a rotunda da Viola Campaniça e do Cante Alentejano, com atuações de vários grupos, e um espetáculo no cineteatro, e, em Mértola, no âmbito da Feira do Livro, o Grupo Coral Guadiana promove um ensaio aberto à população.

Em Castro Verde, a câmara lança a coletânea "Planície a Cantar", com temas de grupos corais do concelho, os quais vão desfilar por ruas da vila no domingo.

No domingo, o evento "ruma" a Lisboa, com atuações, a exposição "Cante. Paris. 2014", a apresentação da revista A Tradição -- nova série e uma conferência sobre polifonia, na Casa do Alentejo, estando o encerramento agendado para a Igreja de S. Domingos, com um espetáculo que combina cante e fado.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.