sicnot

Perfil

Cultura

Vocalista dos U2 escreve música sobre atentados em Paris

O vocalista da banda irlandesa U2, Bono, escreveu uma canção sobre os atentados de Paris, antecipando o regresso à capital francesa, possivelmente com a banda Eagles of Death Metal, que atuava aquando do ataque à sala de espetáculos Bataclan.

© Eduardo Munoz / Reuters

A banda rock irlandesa tinha cancelado, logo no início do mês, os espetáculos agendados para Paris por causa dos atentados terroristas de 13 de novembro que mataram 130 pessoas, mas rapidamente remarcaram, com dois concertos hoje e segunda-feira, no AccorHotels Arena.

Em entrevista ao canal de televisão americano CNN, Bono recitou parte da letra de uma nova música, com o título "Streets of Surrender" (Ruas de rendição, numa tradução literal para português), que aborda o tema da violência.

"Cada pessoa tem uma cidade de liberdade, para mim é Paris, eu amo-a" ou "Todas as vezes que me perco nestas velhas ruas, encontro-me novamente. Não vim cá para lutar contigo. Eu percorri estas ruas de amor e orgulho para me render", são parte da letra da música.

A música fala também da crise dos refugiados, com parte da letra a lembrar Aylan Kurdi, a criança síria que morreu afogada e cujo corpo deu à costa na Turquia: "Toda a gente chora por algum miúdo que encontraram deitado numa praia, nascido numa manjedoura".

Segundo Bono, esta música começou por ser escrita para o músico italiano, e amigo de longa data, Zucchero.

Na mesma entrevista, o guitarrista The Edge sublinhou que os U2 entendem a música em geral como o som da liberdade.

"Nós achamos que o 'rock and roll' tem um papel a desempenhar, por isso, voltar a Paris, para nós, não é apenas simbólico. Achamos que estamos realmente a começar um processo de resistência, de rebeldia contra esse movimento", apontou, referindo-se ao grupo terrorista que se denomina Estado Islâmico e que foi o autor dos atentados.

No dia 13 de novembro, o pior dos ataques aconteceu na sala de espetáculos Bataclan, onde 90 pessoas foram mortas durante um concerto do grupo Eagles os Death Metal.

Alguns rumores têm dado conta de que a banda irá atuar com os U2 no palco em Paris, mas nenhuma das partes confirmou até agora essa informação.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.