sicnot

Perfil

Cultura

Óbidos e Idanha-a-Nova na Rede de Cidades Criativas da UNESCO

Óbidos e Idanha-a-Nova integram a lista de cidades criativas da UNESCO. O anúncio foi feito ao início da tarde, em Paris.

A vila de Óbidos

A vila de Óbidos

CM Óbidos

Óbidos passa agora a ser uma Vila Literária da UNESCO. Atualmente, existem na vila 11 livrarias. Espaços como uma igreja, um mercado ou uma adega são alguns dos espaços dedicados aos livros. A vila acolhe agora o FOLIO, o festival literário internacional de Óbidos.

Idanha-a-Nova integra a mesma lista da UNESCO, mas na categoria de cidade da Música.

Em comunicado, a UNESCO acrescenta que 47 cidades juntam-se à Rede de Cidades Criativas. Lançada em 2004, esta rede inclui agora 116 cidades em todo o mundo e pretende fomentar a cooperação internacional para "investir na criatividade como motor do desenvolvimento urbano sustentável, inclusão social e vibração cultural".

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.