sicnot

Perfil

Cultura

Rapper norte-americana Nicki Minaj criticada por concerto em Angola

Organizações de defesa dos direitos humanos pediram hoje à "rapper" norte-americana Nicki Minaj para cancelar a sua presença num concerto em Angola, defendendo que a atuação será encarada como um sinal de aprovação do regime de Luanda.

© Brendan McDermid / Reuters

A artista, nascida em Trindade e Tobago e naturalizada norte-americana, é o principal nome do cartaz de um concerto de Natal que vai decorrer no sábado (dia 19) no Estádio dos Coqueiros, em Luanda.

O concerto é produzido pela empresa privada de telecomunicações Unitel, detida em parte por Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder há 36 anos.

Em 2013, a cantora norte-americana Mariah Carey também foi alvo de críticas por ter atuado para o chefe de Estado angolano.

"Nicki Minaj está a seguir os passos de Mariah Carey, ao aceitar insensivelmente dinheiro de um ditador (...) que tem sufocado a liberdade de expressão de forma eficaz e implacável", afirmou Jeffery Smith, da organização Robert F. Kennedy Human Rights.

"Esta repressão persistente sobre os direitos humanos básicos em Angola tem atingido ativistas, membros da oposição, jornalistas e até músicos", reforçou Jeffery Smith

Também para a organização Human Rights Foundation, Nicki Minaj, "uma artista de nível global", não deve comparecer no concerto.

"Não há nenhuma boa razão para ela fazer negócios com a ditadura corrupta de Angola e apoiar uma empresa da família [dos Santos]", defendeu o presidente da Human Rights Foundation, Thor Halvorssen.

A 'rapper' surgiu num vídeo da Unitel divulgado na rede social Facebook para promover o concerto.

Num comunicado disponibilizado na página na Internet da embaixada de Angola em Portugal, uma fonte da Unitel afirmou que a cantora norte-americana é um dos símbolos da música 'rap' e da emancipação feminina neste tipo de música.

O convite à cantora, segundo destacou a mesma fonte, demonstra o compromisso da Unitel de colocar o país na rota dos grandes espetáculos de reconhecimento internacional.

Angola celebrou em novembro último os 40 anos de independência de Portugal, com José Eduardo dos Santos, de 73 anos, a prometer progresso para o país, mas os críticos do regime de Luanda acusam o Presidente de governar o país através do medo e da repressão.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.