sicnot

Perfil

Cultura

Rapper norte-americana Nicki Minaj criticada por concerto em Angola

Organizações de defesa dos direitos humanos pediram hoje à "rapper" norte-americana Nicki Minaj para cancelar a sua presença num concerto em Angola, defendendo que a atuação será encarada como um sinal de aprovação do regime de Luanda.

© Brendan McDermid / Reuters

A artista, nascida em Trindade e Tobago e naturalizada norte-americana, é o principal nome do cartaz de um concerto de Natal que vai decorrer no sábado (dia 19) no Estádio dos Coqueiros, em Luanda.

O concerto é produzido pela empresa privada de telecomunicações Unitel, detida em parte por Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder há 36 anos.

Em 2013, a cantora norte-americana Mariah Carey também foi alvo de críticas por ter atuado para o chefe de Estado angolano.

"Nicki Minaj está a seguir os passos de Mariah Carey, ao aceitar insensivelmente dinheiro de um ditador (...) que tem sufocado a liberdade de expressão de forma eficaz e implacável", afirmou Jeffery Smith, da organização Robert F. Kennedy Human Rights.

"Esta repressão persistente sobre os direitos humanos básicos em Angola tem atingido ativistas, membros da oposição, jornalistas e até músicos", reforçou Jeffery Smith

Também para a organização Human Rights Foundation, Nicki Minaj, "uma artista de nível global", não deve comparecer no concerto.

"Não há nenhuma boa razão para ela fazer negócios com a ditadura corrupta de Angola e apoiar uma empresa da família [dos Santos]", defendeu o presidente da Human Rights Foundation, Thor Halvorssen.

A 'rapper' surgiu num vídeo da Unitel divulgado na rede social Facebook para promover o concerto.

Num comunicado disponibilizado na página na Internet da embaixada de Angola em Portugal, uma fonte da Unitel afirmou que a cantora norte-americana é um dos símbolos da música 'rap' e da emancipação feminina neste tipo de música.

O convite à cantora, segundo destacou a mesma fonte, demonstra o compromisso da Unitel de colocar o país na rota dos grandes espetáculos de reconhecimento internacional.

Angola celebrou em novembro último os 40 anos de independência de Portugal, com José Eduardo dos Santos, de 73 anos, a prometer progresso para o país, mas os críticos do regime de Luanda acusam o Presidente de governar o país através do medo e da repressão.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.