sicnot

Perfil

Cultura

Rapper norte-americana Nicki Minaj criticada por concerto em Angola

Organizações de defesa dos direitos humanos pediram hoje à "rapper" norte-americana Nicki Minaj para cancelar a sua presença num concerto em Angola, defendendo que a atuação será encarada como um sinal de aprovação do regime de Luanda.

© Brendan McDermid / Reuters

A artista, nascida em Trindade e Tobago e naturalizada norte-americana, é o principal nome do cartaz de um concerto de Natal que vai decorrer no sábado (dia 19) no Estádio dos Coqueiros, em Luanda.

O concerto é produzido pela empresa privada de telecomunicações Unitel, detida em parte por Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder há 36 anos.

Em 2013, a cantora norte-americana Mariah Carey também foi alvo de críticas por ter atuado para o chefe de Estado angolano.

"Nicki Minaj está a seguir os passos de Mariah Carey, ao aceitar insensivelmente dinheiro de um ditador (...) que tem sufocado a liberdade de expressão de forma eficaz e implacável", afirmou Jeffery Smith, da organização Robert F. Kennedy Human Rights.

"Esta repressão persistente sobre os direitos humanos básicos em Angola tem atingido ativistas, membros da oposição, jornalistas e até músicos", reforçou Jeffery Smith

Também para a organização Human Rights Foundation, Nicki Minaj, "uma artista de nível global", não deve comparecer no concerto.

"Não há nenhuma boa razão para ela fazer negócios com a ditadura corrupta de Angola e apoiar uma empresa da família [dos Santos]", defendeu o presidente da Human Rights Foundation, Thor Halvorssen.

A 'rapper' surgiu num vídeo da Unitel divulgado na rede social Facebook para promover o concerto.

Num comunicado disponibilizado na página na Internet da embaixada de Angola em Portugal, uma fonte da Unitel afirmou que a cantora norte-americana é um dos símbolos da música 'rap' e da emancipação feminina neste tipo de música.

O convite à cantora, segundo destacou a mesma fonte, demonstra o compromisso da Unitel de colocar o país na rota dos grandes espetáculos de reconhecimento internacional.

Angola celebrou em novembro último os 40 anos de independência de Portugal, com José Eduardo dos Santos, de 73 anos, a prometer progresso para o país, mas os críticos do regime de Luanda acusam o Presidente de governar o país através do medo e da repressão.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.