sicnot

Perfil

Cultura

Exposição "Caçadora Furtiva" de Paula Rego é inaugurada hoje na Casa das Histórias

Uma nova exposição de Paula Rego, com uma centena de obras, intitulada "Caçadora Furtiva", inspirada no contacto da pintora com a National Gallery, em Londres, é hoje inaugurada, às 18:30, na Casa das Histórias, em Cascais.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters


A nova exposição parte de uma série de trabalhos resultantes do encontro íntimo da pintora, ao longo de ano e meio, com as coleções da National Gallery, nos anos 1990.

Fundada em 1824, a National Gallery está entre os mais importantes museus da Europa e é um dos mais visitados em todo o mundo, acolhendo uma coleção com mais de 2.000 pinturas criadas desde o século XIII até o início do século XX, incluindo obras-primas de artistas como Leonardo da Vinci, Botticelli, Caravaggio e Rembrandt.

Paula Rego, de 80 anos, reside em Londres, onde continua a pintar diariamente no seu ateliê, segundo o filho, Nick Willing, que esteve presente num congresso em homenagem à pintora, realizado no início de dezembro, na Universidade Nova de Lisboa, com especialistas que estudam a obra da artista.

A exposição "Caçadora Furtiva" tem curadoria de Catarina Alfaro e, segundo a Casa das Histórias, vai ser inaugurada na quinta-feira, às 18:00 no âmbito da programação do Bairro dos Museus.

Antes da inauguração, vai ser atribuído ao auditório da Casa das Histórias Paula Rego o nome de Maria de Jesus Barroso, numa cerimónia que conta com a presença de Mário Soares e dos filhos, Isabel e João Soares, ministro da Cultura.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.