sicnot

Perfil

Cultura

Fotografia do ano eleita pela UNICEF mostra o desespero das crianças refugiadas

Uma imagem que mostra o desespero de duas crianças refugiadas na fronteira da Grécia com a Macedónia foi eleita pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) como a fotografia do ano 2015, foi hoje divulgado.

GEORGI LICOVSKI

O repórter fotográfico da Macedónia Georgi Licovski, da Agência Europeia de Fotografia (EPA), é o autor da imagem.

A fotografia mostra um menino e uma menina de mãos dadas, a chorar de forma inconsolável, entre vários elementos da guarda fronteiriça e uma multidão de pessoas que tenta abrir caminho.

"Os seus rostos, cada poro do seu corpo, refletem o desespero destas duas crianças", afirmou Daniela Schadt, mulher do Presidente alemão Joachim Gauck, durante a apresentação em Berlim da fotografia premiada pelo UNICEF.

Georgi Licovski "captou (...) na sua imagem o desespero das crianças que fogem" e a fotografia imortaliza tanto "o dilema" como "a responsabilidade da Europa", acrescentou Daniela Schadt.

O próprio repórter fotográfico reconheceu que não foi fácil tirar fotografias destas pessoas, que deixaram os seus países e perderam as respetivas casas.

Para Peter-Matthias Gaede, membro da direção do UNICEF, as imagens dos refugiados, em especial a fotografia do corpo do menino sírio Aylan Kurdi numa praia turca, abriram um debate sobre os limites éticos do jornalismo.

"Precisamos de imagens, mesmo quando essas imagens podem provocar muitos danos", afirmou Gaede, acrescentando que as fotografias ilustram o sofrimento e transportam para fora das estatísticas "as crianças que têm de ser corajosas e que já perderam tanto".

Uma reportagem fotográfica realizada pelo sueco Magnus Wennman, que mostrou crianças exaustas a dormirem em florestas, em estações de comboios, deitadas em colchões velhos, durante o percurso da Síria para a Europa, foi distinguida com o segundo prémio.

O terceiro prémio foi atribuído à repórter fotográfica norte-americana Heidi Levine e ao seu trabalho que mostra uma criança palestiniana de cinco anos com uma cicatriz na barriga.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estima que cerca de 60 milhões de pessoas no mundo não podem regressar às suas casas devido a situações de violência, um número recorde.

Segundo a UNICEF, 25% dos 730 mil refugiados que tentaram entrar na União Europeia (UE) entre janeiro e novembro deste ano através da rota migratória dos Balcãs eram crianças ou jovens.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.