sicnot

Perfil

Cultura

Fanny Ardant rodará novo filme em Portugal em janeiro, com Gérard Depardieu

A atriz e realizadora francesa Fanny Ardant prepara-se para rodar em janeiro um novo filme em Portugal, intitulado "E atrás de mim uma gaiola vazia", revelou a produtora Leopardo Filmes, de Paulo Branco.

© Stringer . / Reuters

O filme contará com a participação do ator Gérard Depardieu no papel do antigo líder da ex-União Soviética Josef Estaline, e da atriz Emmanuelle Seigner.

"E atrás de mim uma gaiola vazia", que será rodado em janeiro e fevereiro no Buçaco e em Curia, é uma adaptação do romance "Le divan de Staline", de Jean-Daniel Baltassat.

Segundo a Leopardo Filmes, a longa-metragem "aborda uma das figuras centrais da História Mundial sob uma perspetiva freudiana e intimista".

Este será o segundo filme que Fanny Ardant rodará integralmente em Portugal, depois de ter feito "Cadências obstinadas", em 2013, em Lisboa. A estreia da atriz como realizadora deu-se em 2009, com "Cinzas e sangue".

Além de Gérard Depardieu e Emmanuelle Seigner, o filme contará no elenco com Xavier Maly, François Challot, Tudor Istodor, Luna Piccoli-Truffaut, Alexis Maretti e Paul Hamy. A direção da fotografia será de Renato Berta.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.