sicnot

Perfil

Cultura

Coreografia "Nevoeiro" de Luís Guerra no Centro Cultural de Belém

A coreografia "Nevoeiro", de Luís Guerra, na qual os bailarinos se "desfocam" através de movimentos rápidos, vai ser apresentada na sexta-feira e no sábado, no palco do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

ccb.pt/Default/pt/Programacao/Danca?a=453

ccb.pt/Default/pt/Programacao/Danca?a=453

Dirigido e coreografado por Luís Guerra, o espetáculo - que teve estreia no Festival Materiais Diversos 2013 - estará, a partir das 21:00, no pequeno auditório do CCB.

No palco do pequeno auditório, será interpretado por Jacome Filipe, Lander Patrick ou André Mendes, Luís Guerra, Teresa Silva ou Marta Cerqueira, nas diferentes sessões, com música de Ulrich Estreich e luzes desenhadas por Zeca Iglésias, que também assina a direção técnica.

"Nevoeiro", peça de dança para quatro bailarinos, divide-se em três atos distintos que têm em comum uma cortina prateada que serve como personificação do nevoeiro.

O primeiro ato apresenta uma dança rápida e precisa, num exercício coreográfico que aproxima a dança da arte marcial que toma os bailarinos como personificação de todas as cores do espetro da luz.

Através dessa dança surge uma espécie de imagem desfocada, devido à "rapidez e desumanização dos intérpretes que raramente se encontram muito tempo no mesmo sítio, [que] personifica tudo aquilo que existe".

No centro do bailado está a ideia de desfocagem, em resultado da rapidez dos movimentos, que faz com que o campo visual passe a ser mais e mais indefinido, chegando, assim, ao nevoeiro.

Com formação artística do Conservatório Nacional, desde 2005 que Luís Guerra assina os seus projetos para palco, tendo trabalhado regularmente, como bailarino, ator e performer, com uma participação frequente nas peças de Tânia Carvalho.

Lusa

  • "O polvo está perfeitamente à rasca"
    1:45
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As denúncias do Benfica estiveram em análise ontem no programa O Dia Seguinte da SIC Notícias. Rui Gomes da Silva considera graves algumas das acusações feitas pelos encarnados. Já Paulo Andrade e José Guilherme Aguiar consideram que tudo não passa de uma manobra de diversão do Benfica.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26