sicnot

Perfil

Cultura

Rodagem de filme com Depardieu no papel de Estaline começa na Serra do Buçaco

A realizadora e atriz francesa Fanny Ardant iniciou na segunda-feira, na Serra do Buçaco, na Beira Litoral, as filmagens do seu novo filme, "Et derrière moi une cage vide", anunciou hoje a produtora Leopardo Filmes, de Paulo Branco.

© Eric Gaillard / Reuters

O filme "Et derrière moi une cage vide" ("E atrás de mim uma gaiola vazia", em tradução literal) conta com o ator francês Gérard Depardieu, no papel do antigo líder da ex-União Soviética Josef Estaline, e com a atriz francesa Emmanuelle Seigner.

O elenco conta ainda com os desempenhos de Lídia Franco, Joana Verona, Miguel Monteiro, Xavier Maly, François Challot, Tudor Istodor, Luna Piccoli-Truffaut, Alexis Maretti e Paul Hamy.

A direção da fotografia é de Renato Berta.

"E atrás de mim uma gaiola vazia", que será rodado até fevereiro na Serra do Buçaco e nas Termas da Curia, no concelho da Anadia, é uma adaptação do romance "Le divan de Staline", de Jean-Daniel Baltassat.

Segundo a Leopardo Filmes, a longa-metragem "aborda uma das figuras centrais da História Mundial sob uma perspetiva freudiana e intimista".

Este é o segundo filme que Fanny Ardant roda integralmente em Portugal, depois de ter feito "Cadências obstinadas", em 2013, em Lisboa.

A estreia da atriz como realizadora deu-se em 2009, com "Cinzas e sangue".

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.