sicnot

Perfil

Cultura

CM Porto tenta vender amanhã em leilão Casa Manoel de Oliveira pela 2ª vez

A Câmara do Porto realiza na segunda-feira um leilão para tentar vender, pela segunda vez e por pelo menos 1,58 milhões de euros, o edifício idealizado há quase duas décadas para acolher o espólio do cineasta Manoel de Oliveira.

Manoel de Oliveira. (Arquivo)

Manoel de Oliveira. (Arquivo)

© Handout . / Reuters

A primeira tentativa do atual executivo do autarca independente Rui Moreira para alienar o imóvel da Foz, que nunca teve uso, foi feita em maio de 2014, pouco tempo após o anúncio da instalação do acervo de Oliveira em Serralves, mas a hasta pública do município ficou deserta.

Nesta nova iniciativa, que se realiza pelas 10:30 nos Paços do Concelho, a autarquia resolveu determinar um valor-base de licitação de 1,58 milhões de euros para o conjunto das duas frações do imóvel (habitação e equipamento cultural), em vez de diferenciar um montante para cada uma, como tinha acontecido antes.

A avaliação global dos dois edifícios sempre foi de 1,58 milhões de euros mas o município começou por fixar em 1,014 milhões de euros o preço do "equipamento cultural" e em 568,8 mil euros o valor da fração "habitacional".

Agora, o anúncio publicado pela Câmara do Porto na sua página da internet aponta os 1,58 milhões de euros como "valor base de licitação para as duas frações".

Segundo a autarquia, o que está à venda é um "edificado destinado a equipamento cultural" com 160 metros quadrados de área coberta distribuídos por uma cave, rés-do-chão e primeiro piso, e 1.800 metros quadrados de "área descoberta".

A isto soma-se uma segunda fração, também com entrada pelas ruas Viana de Lima e de Bartolomeu Velho, composta por "cave, entrepiso, rés-do-chão e dois pisos", com 98 metros quadrados de área coberta e 152 metros quadrados de área descoberta.

Depois de a hasta pública de 2014 não ter suscitado o interesse de qualquer investidor, a autarquia manteve o imóvel à venda por ajuste direto durante um ano sem que o negócio se concretizasse.

O procedimento, previsto por lei, admite que eventuais interessados apresentem diretamente à Câmara propostas de compra cujo montante pode ser até 5% inferior ao valor base de licitação da hasta pública.

Foi em abril de 2014 que o presidente da Câmara eleito em setembro de 2013, Rui Moreira, anunciou a venda do equipamento por não fazer sentido "manter uma casa que nunca foi utilizada".

Menos de um ano antes, em novembro de 2013, a Fundação de Serralves tinha assinado um protocolo com a família de Manoel de Oliveira para instalar o espólio do cineasta no extremo nordeste do Parque de Serralves.

Manoel de Oliveira manifestou vontade de doar o seu acervo no início dos anos 90 do século XX, e a Câmara do Porto, então presidida pelo socialista Fernando Gomes, propôs-se construir um edifício de raiz, desenhado por um conceituado arquiteto.

O projeto de Eduardo Souto Moura para a denominada Casa Manoel de Oliveira foi lançado em 1998, sem que tivesse sido formalizado um acordo com o realizador para o uso da casa.

Tal acabaria por condicionar o futuro do imóvel que ficou concluído em 2003 mas nunca teve o uso para que foi pensado: ser residência e museu do realizador que morreu em abril, aos 106 anos.

Em 2007, o advogado do cineasta responsabilizou a Câmara, liderada pelo social-democrata Rui Rio, pelo fracasso da criação da casa-museu.

Cerca de quatro anos depois, o filho do realizador, José Manuel Oliveira, informou que se tinha gorado, por falta de acordo, a hipótese de transferência do acervo para o edifício, notando que a conduta da autarquia tinha levado o cineasta a não aceitar a "Chave da Cidade".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.