sicnot

Perfil

Cultura

Alguns contos de fadas são mais antigos do que se pensa

A origem de alguns contos de fadas é mais antiga do que se pensa e remonta até à Idade do Bronze, há cerca de 6.000 anos, segundo um estudo internacional coassinado pela investigadora portuguesa Sara Graça da Silva.

Para este estudo, que durou dois anos, os autores analisaram 275 tipos de contos em 50 populações indo-europeias, o que permitiu ver como é que a distribuição era feita e se a transmissão podia ser prevista pela proximidade geográfica e linguística. (Arquivo)

Para este estudo, que durou dois anos, os autores analisaram 275 tipos de contos em 50 populações indo-europeias, o que permitiu ver como é que a distribuição era feita e se a transmissão podia ser prevista pela proximidade geográfica e linguística. (Arquivo)

© Mark Blinch / Reuters

Publicada hoje, na revista Royal Society Open Science, a investigação de Sara Graça da Silva e do antropólogo Jamie Tehrani determinou que, recorrendo a métodos da biologia, algumas histórias de transmissão oral "têm heranças ancestrais comuns", que remontam a um período de 2.500 a 6.000 anos.

"A origem dos contos tradicionais tem sido um dos temas mais discutidos e é um dos maiores mistérios da área. Alguns defendem que tem uma origem literária recente, do século XVI", explicou à agência Lusa Sara Graça da Silva, investigadora do Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT), da Universidade Nova de Lisboa.

O que a investigadora portuguesa e o antrológo Jamie Tehrani, do Reino Unido, fizeram, foi recorrer a métodos filogéneticos - utilizados em Biologia para comparar espécies - para traçar uma árvore linguística no que toca às histórias que são transmitidas pela oralidade.

Para este estudo, que durou dois anos, os autores analisaram 275 tipos de contos em 50 populações indo-europeias, o que permitiu ver como é que a distribuição era feita e se a transmissão podia ser prevista pela proximidade geográfica e linguística.

Os autores identificaram 76 casos, entre os quais as histórias "A bela e o monstro" e "The smith and the devil", que têm essa herança ancestral comum, muito anterior ao que tem sido discutido.

Segundo Sara Graça da Silva, os resultados desta investigação vão ao encontro da tese dos irmãos Grimm, que defendiam que as raízes dos contos é muito antiga.

Para a investigadora portuguesa, este estudo é um contributo numa perspectiva evolutiva para essa discussão sobre a antiguidade dos contos populares, de fadas ou ditos tradicionais, que passam de geração em geração, são contados e recontados há dezenas de anos.

"O nosso alcance vai além dos debates sobre a origem, pode interessar até do ponto de vista da linguística, da genética. Os contos são muito desconsiderados, mas é incrível [o contributo] para o estudo do comportamento humano, sobre a tomada de decisões, sobre a moral. Muitos dos temas são universais, sobre a punição, a recompensa, a morte, a moral e a imoralidade", disse.

Formada em Humanidades, Sara Graça da Silva é investigadora do IELT desde 2013.

Lusa

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.