sicnot

Perfil

Cultura

Bilhetes para concerto dos Eagles of Death Metal em Paris esgotam em 30 minutos

Os bilhetes para o novo concerto em Paris dos Eagles of Death Metal, a banda que atuava no Bataclan quando o recinto foi atacado por terroristas em novembro passado, esgotaram em 30 minutos após a sua colocação em venda.

O grupo rock norte-americano liderado por Jesse Hughes (na imagem) vai tocar na emblemática sala de espetáculos parisiense Olympia no próximo dia 16 de fevereiro. (Arquivo)

O grupo rock norte-americano liderado por Jesse Hughes (na imagem) vai tocar na emblemática sala de espetáculos parisiense Olympia no próximo dia 16 de fevereiro. (Arquivo)

Barry Brecheisen / AP

O grupo rock norte-americano liderado por Jesse Hughes vai tocar na emblemática sala de espetáculos parisiense Olympia no próximo dia 16 de fevereiro.

Os bilhetes, com preços a variar entre os 33 e os 44 euros, foram colocados à venda hoje de manhã e esgotaram meia hora depois.

A banda, que regressou a Paris a 7 de dezembro como convidada num concerto do grupo irlandês U2, afirmou que todos os sobreviventes do ataque ao Bataclan estavam convidados para o concerto no Olympia.

Num tributo às vítimas do ataque, a banda californiana tocou, em conjunto com os U2, o tema de Patti Smith "People have the power" ("As pessoas têm o poder"). Na mesma altura, depositaram uma coroa de flores em frente à sala de espetáculos Bataclan.

No dia 13 de novembro de 2015, o grupo atuava no Bataclan, perante cerca de 1.500 espetadores, quando três terroristas entraram na sala de espetáculos e abriram fogo indiscriminadamente, matando 90 pessoas, entre as quais o agente comercial da banda, Nick Alexander, e três membros da produtora.

A sala de espetáculos foi um dos alvos dos ataques terroristas de 13 de novembro em Paris, que também atingiram restaurantes, bares e as imediações do Estádio de França. No total, morreram 130 pessoas e mais de 300 ficaram feridas.

Nas entrevistas que deram semanas depois dos atentados, os Eagles of Death Metal manifestaram vontade de serem os primeiros a atuar no Bataclan, após a sua reabertura. Os proprietários da sala admitiram entretanto que a reabertura só poderá ser viável no final do próximo ano.

Após os atentados, o grupo norte-americano cancelou a digressão europeia, que incluía uma passagem por Lisboa, a 10 de dezembro de 2015.

Em dezembro, os Eagles of Death Metal anunciaram que iam retomar em fevereiro a digressão europeia, tendo agendado uma nova data para Portugal: 05 de março no Coliseu de Lisboa.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.