sicnot

Perfil

Cultura

Emigrantes reagem com indignação à polémica em torno de Tony Carreira

Portugueses residentes em França estão a manifestar indignação com a recusa da Embaixada de Portugal em Paris em acolher a cerimónia de atribuição do grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras ao cantor Tony Carreira.

Paulo Marques, conselheiro das comunidades portuguesas, disse à Lusa que "a comunidade está bastante chocada" mas "não está admirada porque há alguns anos que a Embaixada de Portugal [em Paris] desapareceu do mapa das comunidades", criticou.

"A comunidade está bastante chocada porque sente que Portugal solicita o apoio das comunidades portuguesas, solicita o envio de remessas, solicita o investimento dos portugueses, mas verifica-se que ainda há muitos 'a prioris' com esta comunidade e com a cultura e as artes", declarou.

O conselheiro eleito pela área consular de Paris lamentou, também, "a opinião do ministro dos Negócios Estrangeiros que acha que os fãs do Tony Carreira dariam um estudo sociológico".

"Essa mensagem de desprezo é grave e o ministro dos Negócios Estrangeiros deveria era pedir desculpas pelo que disse porque demonstra claramente um afastamento deste Governo com as suas comunidades", declarou o também autarca de Aulnay-sous-Bois, na região de Paris.

Raul Lopes, outro conselheiro das comunidades portuguesas eleito pela área consular de Paris, disse à Lusa que também lhe chegaram "ecos de indignação de portugueses relativamente ao facto de a embaixada não ter permitido que a condecoração fosse entregue lá", mas "pessoalmente" diz não ver "razão para tanto alarido".

"É um facto que há gente muito indignada. Agora, a minha opinião pessoal é que, sendo o Estado francês a atribuir a condecoração, não percebo por que é que a cerimónia haveria de realizar-se nas instalações do Estado português na Embaixada em Paris. Julgo que quem atribui a condecoração deveria arranjar um espaço digno para o fazer", declarou.

Raul Lopes confirmou que "está a haver uma grande celeuma no Facebook e a maior parte das opiniões é a favor da pretensão do Tony Carreira e contra a posição do embaixador", sublinhando que a atribuição da mesma condecoração à fadista Mísia na Embaixada de Portugal, em 2004, suscita interrogações sobre a existência de "dois pesos e duas medidas".

Umbelina Trovão, em França há mais de 40 anos, esteve precisamente na cerimónia de entrega do grau de cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras a Mísia na Embaixada de Portugal, em 2004, e considera que houve "dois pesos e duas medidas".

"Foi na embaixada portuguesa, estava o senhor Mário Soares, o embaixador António Monteiro e a Mísia cantou depois de ter sido condecorada pelo ministro da Cultura francês. Eu não compreendi a polémica. Falam de protocolos, dizem que quando são os franceses que condecoram tem de ser na embaixada francesa ou no Ministério do Interior, mas é uma polémica estúpida porque eu lembro-me perfeitamente da cerimónia", disse à Lusa Umbelina Trovão.

A emigrante oriunda do Alentejo salientou que nem é "uma fã do Tony Carreira, apesar de gostar das primeiras canções", mas sublinhou que "se estivesse no lugar dele" e se lhe oferecessem uma medalha "também gostaria que fosse na embaixada de Portugal".

Luísa Semedo, conselheira das comunidades eleita pela área consular de Paris, disse à Lusa que teve sobretudo ecos sobre se Tony Carreira mereceria a condecoração, mas declarou que "a maioria concorda que já que um português pediu para ser condecorado na Embaixada, foi pena terem-lhe fechado as portas".

"Simbolicamente, acho muito duro fechar as portas a um cidadão português e percebo que isso seja mal acolhido. Mas também percebo que haja um protocolo, acho que faz mais sentido receber uma medalha francesa em território francês", afirmou.

A 15 de janeiro, quando recebeu a medalha, Tony Carreira escreveu na sua conta facebook (com mais de 700 mil seguidores): "Quando tomei conhecimento desta condecoração, pedi se seria possível entregarem-me a medalha na embaixada de Portugal em Paris (a embaixada do meu país), pedido recusado pelo Sr. Embaixador de Portugal em Paris. Tive pena, fiquei triste, mas não mexe em nada com o meu orgulho em ser português".

Lusa

  • Embaixador português não aceitou receber homenagem a Tony Carreira em Paris
    3:18

    Cultura

    Há uma polémica entre o Tony Carreira e a embaixada de Portugal, em França. O cantor foi condecorado pelo Governo francês e pediu que a cerimónia decorresse na embaixada portuguesa em Paris. Mas o embaixador, Moraes Cabral, que nunca aceitou falar com o cantor, recusou, alegando que não é prática comum. Tony Carreira lamenta que seja homenageado por um país estrangeiro e desvalorizado por Portugal.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59