sicnot

Perfil

Cultura

"Livro do desassossego" foi escrito por três heterónimos de Fernando Pessoa, revela investigadora

A catedrática de Literatura Teresa Rita Lopes defende, numa obra que é apresentada na quinta-feira, em Lisboa, que o "Livro do Desassossego", de Bernardo Soares, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, corresponde na realidade a "três monólogos".

"No plural? - Será a primeira surpresa [sobre a obra]. É verdade: o 'Livro [do Desassossego]' é três livros, assinados por três autores, perfeitamente diferenciados: o primeiro, por Fernando Pessoa que, a certa altura, nomeou Vicente Guedes seu representante, o segundo, pelo Barão de Teive, e o terceiro, por Bernardo Soares", explicou à Lusa a autora.

"Os três monólogos do(s) Livro(s) do Desassossego são agora restituídos aos seus verdadeiros autores, num gesto que resgata as intenções de Pessoa", realçou a autora.

"Não há apenas um 'Livro do Desassossego', mas antes três Livros do Desassossego, que dão voz (e palavras) a três autores distintos: o jovem artista Vicente Guedes, decadente, 'dandy' e 'blasé'; o frio Barão de Teive, dono de uma surpreendente austeridade de pensamento e de linguagem; e Bernardo Soares, que, apesar de ser um simples ajudante de guarda-livros da Baixa lisboeta, se tornou o semi-heterónimo pessoano mais conhecido e reconhecido, desde que se manifestou pela primeira vez, em 1929", reforçou à Lusa fonte da Global Editora, que chancela a obra.

"Apresentar os escritos de Vicente Guedes como se tivessem saído da pena de Bernardo Soares -- equívoco em que caem várias edições anteriores desta obra -- equivale a confundir as falas de diferentes atores e a criar uma cacofonia literária", acrescentou a mesma fonte editorial.

A obra "Livro(s) do desassossego", de Teresa Rita Lopes, é apresentada na quinta-feira, às 18:30, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, numa conversa entre a autora e o poeta e crítico literário António Cortez.

Também poetisa, dramaturga, investigadora literária e ensaísta, Teresa Rita Lopes nasceu em Faro, mas, em plena ditadura do Estado Novo (1933-1974), decidiu radicar-se em Paris, onde foi professora na Universidade da Sorbonne Nouvelle, entre 1969 e 1982.

Após o 25 de Abril de 1974, regressou a Portugal, tendo participado na fundação da Universidade Nova de Lisboa, onde, desde 1979, leciona Literaturas Comparadas.

Colabora regularmente em diversos jornais e revistas nacionais e internacionais, e é apontada como uma das especialistas de Fernando Pessoa, tendo publicado vários escritos inéditos do poeta e coorganizado edições críticas da sua obra.

Tanto no domínio do ensaio e do teatro, como no universo do conto e da poesia, a escritora obteve já diversas distinções, nomeadamente o Prémio Cidade de Lisboa (1988), o Prémio Eça de Queiroz (1997), o Prémio Pen Club (1990) e o Grande Prémio de Ensaio UNICER/Letras e Letras (1989).

Lusa

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • Norte também quer naturismo e praias de nudistas

    País

    O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu hoje a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.