sicnot

Perfil

Cultura

Autora de "Harry Potter" ganha prémio PEN de liberdade de expressão

A autora da série de livros "Harry Potter", J.K. Rowling, vai receber o prémio PEN 2016 de liberdade de expressão "pelo mundo da fantasia sem preconceitos" criado na sua obra, anunciou esta segunda-feira a Associação Americana de Escritores.

J.K. Rowling vai receber o prémio numa gala no Museu de História Natural, em Nova Iorque, a 16 de maio. (Arquivo)

J.K. Rowling vai receber o prémio numa gala no Museu de História Natural, em Nova Iorque, a 16 de maio. (Arquivo)

© Carlo Allegri / Reuters

A anterior edição do prémio coube, com grande polémica, aos editores da revista satírica francesa "Charlie Hebdo", vítimas de um ataque terrorista em janeiro, tendo o galardão distinguido já autores como Tom Stoppard ou Salman Rushdie.

J.K. Rowling vai receber o prémio numa gala no Museu de História Natural, em Nova Iorque, a 16 de maio.

"Através das suas experiências dentro e fora dos livros, graças a Rowling muitas crianças aprenderam não apenas o poder de dizer o que pensam mas também a importância de ouvir os outros", sublinhou Andrew Solomon, presidente da Associação Americana de Escritores.

Solomon enfatizou ainda o ativismo de Rowling pela liberdade de expressão, a criação da Volant, uma fundação de apoio à esclerose múltipla, e o seu trabalho na ONG Lumos, que se dedica a proporcionar o reencontro de crianças abandonadas com as suas famílias.

Na mesma cerimónia, será também distinguido, com um prémio de honra, o diretor-geral do grupo editorial Hachette, Michael Pietsch, que publicou os romances policiais de J.K. Rowling sob o pseudónimo de Robert Galbraith.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.