sicnot

Perfil

Cultura

Morreu o ator norte-americano Abe Vigoda

O ator norte-americano Abe Vigoda, conhecido por ter participado em "O Padrinho", morreu esta terça-feira aos 94 anos de causas naturais, em New Jersey, anunciou a família.

Filho de russos judeus que emigraram para os Estados Unidos, Abe Vigoda nasceu a 24 de fevereiro de 1921 em Nova Iorque e morreu hoje durante o sono. (Arquivo)

Filho de russos judeus que emigraram para os Estados Unidos, Abe Vigoda nasceu a 24 de fevereiro de 1921 em Nova Iorque e morreu hoje durante o sono. (Arquivo)

JEFF ROBBINS / AP

Apesar de ter tido uma carreira em teatro, cinema e televisão desde a década de 1940, Abe Vigoda ficou célebre sobretudo por duas personagens, interpretadas nos anos 1970: o mafioso Sal Tessio em "O padrinho", de Coppola, e o detetive Philip K. Fish na série televisiva "Barney Miller".

A morte de Abe Vigoda era há muito tempo uma piada da cultura popular nos Estados Unidos, escreve hoje o jornal Los Angeles Times. Em 1982, a revista People dava o ator como morto quando na verdade se queria referir ao final da série "Barney Miller".

Na altura, numa resposta humorada ao engano, Abe Vigoda publicou um anúncio de página inteira na revista Variety, onde aparecia dentro de um caixão a ler a People.

"O sentido de humor manteve-se intacto, mas a carreira não", escreve hoje o jornal Los Angeles Times no obituário do ator, referindo que aquele anúncio antecipado de morte o perseguiu durante anos.

Filho de russos judeus que emigraram para os Estados Unidos, Abe Vigoda nasceu a 24 de fevereiro de 1921 em Nova Iorque e morreu hoje durante o sono.

Lusa

  • Crianças trocadas à nascença não querem mudar de pais

    Mundo

    Tem todos os ingredientes de um argumento de filme, mas aconteceu de facto na Índia. Dois bebés foram trocados à nascença na maternidade, os resultados de ADN confirmaram-no quase três anos depois, mas as crianças, atualmente com 2 anos e 10 meses, não querem mudar de família.

    SIC

  • Agressões e rascismo em escola de Portimão
    3:06

    País

    Queixas de agressões, insultos, discriminação e racismo numa escola básica de Portimão estão a ser alvo de um processo de averiguações, por parte da autarquia e da direção do agrupamento escolar. As denúncias partem de um grupo de pais e foram tornadas públicas pela organização SOS Racismo.  A principal visada é uma funcionária da cantina, mas também uma professora.

  • Os (maus) hábitos do português ao volante
    1:31