sicnot

Perfil

Cultura

Adele proíbe Donald Trump de usar as suas músicas em ações de campanha

A cantora britânica Adele não quer que o multimilionário norte-americano Donald Trump, aspirante à candidatura presidencial republicana, utilize as suas músicas em ações eleitorais, foi hoje divulgado.

© Danny Moloshok / Reuters

O polémico empresário, cujo 'slogan' de candidatura é "Vamos tornar a América grande de novo", utiliza nas suas ações de campanha a música "Rolling In The Deep", um dos grandes êxitos da cantora britânica.

A música consta no segundo álbum da carreira de Adele, intitulado "21".

"Adele não deu autorização para que a sua música seja utilizada em qualquer campanha política", afirmou hoje o porta-voz da cantora, em declarações aos 'media' britânicos.

Muitos seguidores da artista nas redes sociais também manifestaram o seu desagrado com esta situação. Em comentários na rede social Twitter, alguns afirmaram que estavam "ofendidos em nome de Adele".

Durante um comício de Trump em Lexington, na Carolina do Sul, o conhecido tema da cantora britânica começou a tocar quando o empresário entrou no palco para fazer um discurso.

Na altura, o momento suscitou alguma estranheza a um correspondente da estação britânica BBC nos Estados Unidos, que relatou a situação na rede social Twitter.

Não é a primeira vez que o magnata, que tem gerado polémica devido a comentários anti-imigração e islamofóbicos, tem problemas com as músicas escolhidas para as suas ações eleitorais.

No ano passado, o vocalista dos Aerosmith, Steven Tyler, pediu à equipa da campanha de Donald Trump para parar de usar a canção do grupo "Dream On".

Na altura, o candidato republicano respondeu a Steven Tyler, escrevendo no Twitter que, graças a ele, a música tinha tido mais publicidade do que nos últimos 10 anos.

Os também norte-americanos R.E.M divulgaram um comunicado em 2015 a proibir a utilização do tema "It's the End of the World" por Donald Trump.

Lusa

  • Novas buscas no Universo Espírito Santo

    Queda do BES

    O Ministério Público voltou a fazer buscas no âmbito dos processos do Universo Espírito Santo. A SIC sabe que ontem e hoje os investigadores recolheram provas em diversos locais do continente e também na Madeira, nomeadamente em residências, empresas e entidades bancárias.

    Notícia SIC

  • Visitar a região afetada pelo fogos é uma forma de ajudar na recuperação
    3:07
  • Carvalhal do Sapo tenta recuperar a vida normal após incêndio
    2:33

    País

    As populações das aldeias de Góis tentam voltar à normalidade, ao fim de vários dias rodeadas por um grande dispositivo de operacionais. A repórter Cristina Freitas esteve hoje em Carvalhal do Sapo, onde se realizou mais um funeral de uma das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

  • Falta de médicos e de ofertas de emprego preocupa habitantes da Guarda
    5:13
  • "Do ponto de vista interno a candidatura do Porto é a melhor" 
    0:50

    País

    António Costa admite que a candidatura da cidade do Porto para receber a Agência Europeia do Medicamento seria a melhor para Portugal. No entanto o primeiro-ministro diz que é preciso avaliar se a candidatura do Porto é a que tem mais hipóteses de ganhar, quando comparada com outras cidades europeias. 

  • Daesh divulga imagens da destruição da mesquita de Mossul
    1:58
  • "Podemos ser atendidos por um médico branco?"
    0:58