sicnot

Perfil

Cultura

Adele proíbe Donald Trump de usar as suas músicas em ações de campanha

A cantora britânica Adele não quer que o multimilionário norte-americano Donald Trump, aspirante à candidatura presidencial republicana, utilize as suas músicas em ações eleitorais, foi hoje divulgado.

© Danny Moloshok / Reuters

O polémico empresário, cujo 'slogan' de candidatura é "Vamos tornar a América grande de novo", utiliza nas suas ações de campanha a música "Rolling In The Deep", um dos grandes êxitos da cantora britânica.

A música consta no segundo álbum da carreira de Adele, intitulado "21".

"Adele não deu autorização para que a sua música seja utilizada em qualquer campanha política", afirmou hoje o porta-voz da cantora, em declarações aos 'media' britânicos.

Muitos seguidores da artista nas redes sociais também manifestaram o seu desagrado com esta situação. Em comentários na rede social Twitter, alguns afirmaram que estavam "ofendidos em nome de Adele".

Durante um comício de Trump em Lexington, na Carolina do Sul, o conhecido tema da cantora britânica começou a tocar quando o empresário entrou no palco para fazer um discurso.

Na altura, o momento suscitou alguma estranheza a um correspondente da estação britânica BBC nos Estados Unidos, que relatou a situação na rede social Twitter.

Não é a primeira vez que o magnata, que tem gerado polémica devido a comentários anti-imigração e islamofóbicos, tem problemas com as músicas escolhidas para as suas ações eleitorais.

No ano passado, o vocalista dos Aerosmith, Steven Tyler, pediu à equipa da campanha de Donald Trump para parar de usar a canção do grupo "Dream On".

Na altura, o candidato republicano respondeu a Steven Tyler, escrevendo no Twitter que, graças a ele, a música tinha tido mais publicidade do que nos últimos 10 anos.

Os também norte-americanos R.E.M divulgaram um comunicado em 2015 a proibir a utilização do tema "It's the End of the World" por Donald Trump.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.