sicnot

Perfil

Cultura

Adele proíbe Donald Trump de usar as suas músicas em ações de campanha

A cantora britânica Adele não quer que o multimilionário norte-americano Donald Trump, aspirante à candidatura presidencial republicana, utilize as suas músicas em ações eleitorais, foi hoje divulgado.

© Danny Moloshok / Reuters

O polémico empresário, cujo 'slogan' de candidatura é "Vamos tornar a América grande de novo", utiliza nas suas ações de campanha a música "Rolling In The Deep", um dos grandes êxitos da cantora britânica.

A música consta no segundo álbum da carreira de Adele, intitulado "21".

"Adele não deu autorização para que a sua música seja utilizada em qualquer campanha política", afirmou hoje o porta-voz da cantora, em declarações aos 'media' britânicos.

Muitos seguidores da artista nas redes sociais também manifestaram o seu desagrado com esta situação. Em comentários na rede social Twitter, alguns afirmaram que estavam "ofendidos em nome de Adele".

Durante um comício de Trump em Lexington, na Carolina do Sul, o conhecido tema da cantora britânica começou a tocar quando o empresário entrou no palco para fazer um discurso.

Na altura, o momento suscitou alguma estranheza a um correspondente da estação britânica BBC nos Estados Unidos, que relatou a situação na rede social Twitter.

Não é a primeira vez que o magnata, que tem gerado polémica devido a comentários anti-imigração e islamofóbicos, tem problemas com as músicas escolhidas para as suas ações eleitorais.

No ano passado, o vocalista dos Aerosmith, Steven Tyler, pediu à equipa da campanha de Donald Trump para parar de usar a canção do grupo "Dream On".

Na altura, o candidato republicano respondeu a Steven Tyler, escrevendo no Twitter que, graças a ele, a música tinha tido mais publicidade do que nos últimos 10 anos.

Os também norte-americanos R.E.M divulgaram um comunicado em 2015 a proibir a utilização do tema "It's the End of the World" por Donald Trump.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.