sicnot

Perfil

Cultura

Ministro da Cultura diz que Portugal vive uma "situação de emergência"

O ministro da Cultura, João Soares, disse hoje, no Algarve, que Portugal vive uma "situação de emergência", nomeadamente no setor que tutela, mas defendeu que a reposição do ministério vai permitir trabalhar pela afirmação cultural do país.

"É preciso ter consciência de que estamos confrontados com uma situação de emergência, muito séria, que resulta dessas aventuras de quem pôs os chamados 'mercados' acima dos intereses do país e nomeadamente dos interesses culturais do país", afirmou o ministro, sublinhando que o país já enfrentou situações difíceis e "soube dar-lhes a volta".

João Soares, que falava aos jornalistas em Faro, no final da visita oficial que hoje fez ao Algarve, admitiu que é "absolutamente óbvio" que o ano agora se inicia continuará a ser de escassez de verbas para a Cultura, mas reafirmou que o atual Governo está disposto a elevar o setor no plano das suas prioridades.

Segundo o governante, o atual primeiro-ministro tem uma "vontade clara de dar à cultura um papel muito mais importante do que aquele que teve nos últimos anos, nomeadamente do ponto de vista do 'ranking' governamental", o que se traduz no facto de a cultura ter deixado de estar "em último lugar no governo".

Questionado pelos jornalistas sobre as verbas previstas para a Cultura no Orçamento do Estado para 2016, o ministro da Cultura disse não estar "ainda em condições para dar uma resposta" sobre a matéria, uma vez que o Governo está ainda a terminar o esboço do documento.

"Infelizmente, uma boa parte do nosso sistema financeiro comeu recursos que teriam sido muito melhor utilizados na área da cultura e na afirmação cultural do país", afirmou, referindo-se às "tragédias" que resultaram dos casos dos bancos BES, BPN e Banif.

João Soares cumpriu hoje a sua primeira visita oficial ao Algarve, tendo visitado monumentos e equipamentos culturais em Aljezur, Vila do Bispo, Lagos, Paderne (Albufeira) e Faro.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.