sicnot

Perfil

Cultura

Caetano Veloso e Gilberto Gil juntos ao vivo em abril nos coliseus

Os músicos brasileiros Caetano Veloso e Gilberto Gil regressam, juntos, a Portugal para dois concertos em abril nos coliseus do Porto e Lisboa, foi hoje anunciado.

© Denis Balibouse / Reuters

A digressão "Dois amigos, um século de música" passará a 24 de abril pelo Coliseu do Porto e a 27 desse mês pelo de Lisboa.

Caetano Veloso e Gilberto Gil, ambos com 73 anos, iniciaram em 2015 uma digressão conjunta, para apenas voz e violão e que já contou com mais de 40 concertos.

No verão passado, os dois músicos atuaram em Oeiras, no encerramento do Festival cooljazz, regressando agora para os coliseus.

O espectáculo desta digressão também já foi registado num duplo álbum e num DVD ao vivo, editado em janeiro em Portugal.

Caetano Veloso e Gilberto Gil - que celebraram 50 anos de carreira em 2015 - são dois dos renovadores da música popular brasileira, com carreiras paralelas que tiveram muitos pontos de contacto desde a década de 1960, dos tempos do tropicalismo e do exílio na Europa, até a atualidade.

O repertório que têm apresentado juntos em palco inclui, por exemplo, "Coração vagabundo", de Caetano Veloso, "Toda menina baiana", de Gilberto Gil, ou "Domingo no parque", que gravaram ao vivo em 1969 no álbum "Barra 69".

Os dois autores têm interpretado também a música mais recente que escreveram juntos, a primeira em mais de 20 anos, intitulada "As camélias do quilombo do Leblon".

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43