sicnot

Perfil

Cultura

Caetano Veloso e Gilberto Gil juntos ao vivo em abril nos coliseus

Os músicos brasileiros Caetano Veloso e Gilberto Gil regressam, juntos, a Portugal para dois concertos em abril nos coliseus do Porto e Lisboa, foi hoje anunciado.

© Denis Balibouse / Reuters

A digressão "Dois amigos, um século de música" passará a 24 de abril pelo Coliseu do Porto e a 27 desse mês pelo de Lisboa.

Caetano Veloso e Gilberto Gil, ambos com 73 anos, iniciaram em 2015 uma digressão conjunta, para apenas voz e violão e que já contou com mais de 40 concertos.

No verão passado, os dois músicos atuaram em Oeiras, no encerramento do Festival cooljazz, regressando agora para os coliseus.

O espectáculo desta digressão também já foi registado num duplo álbum e num DVD ao vivo, editado em janeiro em Portugal.

Caetano Veloso e Gilberto Gil - que celebraram 50 anos de carreira em 2015 - são dois dos renovadores da música popular brasileira, com carreiras paralelas que tiveram muitos pontos de contacto desde a década de 1960, dos tempos do tropicalismo e do exílio na Europa, até a atualidade.

O repertório que têm apresentado juntos em palco inclui, por exemplo, "Coração vagabundo", de Caetano Veloso, "Toda menina baiana", de Gilberto Gil, ou "Domingo no parque", que gravaram ao vivo em 1969 no álbum "Barra 69".

Os dois autores têm interpretado também a música mais recente que escreveram juntos, a primeira em mais de 20 anos, intitulada "As camélias do quilombo do Leblon".

Lusa

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05