sicnot

Perfil

Cultura

Justiça francesa anula licença de exploração comercial do filme "Anticristo"

A licença de exploração comercial em França do filme "Anticristo", do cineasta dinamarquês Lars von Trier, foi anulada pela justiça devido a "cenas de enorme violência" e "cenas de sexo não simuladas", foi hoje divulgado.

© Thomas Peter / Reuters

A decisão judicial foi tomada em resposta a uma ação apresentada por uma associação próxima dos católicos tradicionalistas que defendia que o filme, atualmente interdito a menores de 16 anos, deveria sê-lo a menores de 18 anos.

Algumas cenas de "Anticristo", com Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg - e que valeu em 2009 à atriz francesa o prémio de interpretação feminina no Festival de Cannes -, têm "um grau de representação da violência e da sexualidade que exige, à luz das disposições legais aplicáveis, uma interdição do filme a todos os menores", considerou o tribunal administrativo de segunda instância de Paris.

De acordo com o tribunal, o ministério da Cultura "cometeu um erro de apreciação ao limitar-se a proibir a visualização do filme apenas aos menores de 16 anos".

A anulação da licença de exploração comercial da longa-metragem, uma autorização administrativa necessária à exibição do filme em salas de cinema, impede também a sua difusão em qualquer suporte (televisão, DVD...), até que uma nova licença seja concedida.

O filme de Lars von Trier já enfrentou este obstáculo duas vezes, em 2009 e 2012, por razões processuais. De ambas as vezes lhe foi concedida uma nova licença.

Em dezembro passado, a associação Promouvoir, na origem da ação contra "Anticristo", tinha já obtido da justiça francesa a revisão da interdição apenas aos menores de 12 anos do filme realizado pelo franco-tunisino Abdellatif Kechiche "A Vida de Adèle", Palma de Ouro 2013 em Cannes.

No verão de 2015, a Promouvoir conseguira igualmente fazer proibir aos menores de 18 anos o filme "Love", do cineasta argentino Gaspar Noé, uma história de amor com cenas de sexo não simuladas cuja visualização só estava inicialmente proibida a menores de 16 anos.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.