sicnot

Perfil

Cultura

Bruxas e feiticeiros invadiram livraria Lello em noite mundial de Harry Potter

Dezenas de bruxas e feiticeiros de todas as idades percorreram hoje os corredores e escadaria da livraria Lello & Irmão, no Porto, numa iniciativa mundial dedicada à saga de Harry Potter, personagem criada pela autora britânica J.K. Rowling.

JOS\303\211 COELHO

A "Harry Potter Book Night", iniciativa de âmbito global dedicada às aventuras do jovem aprendiz de feiticeiro, faz especial sentido na livraria portuense, até porque a própria autora revelou que a inspiração para o primeiro livro da saga surgiu quando dava aulas de inglês na cidade do Porto, em meados dos anos 1990.

Ao longo de sete livros e oito filmes, a saga de Harry Potter gerou um culto de seguidores "transversal, dos oito aos 80 anos", disse à Lusa Carla Ribeiro, diretora de marketing da Lello, justificando assim o evento em que "mais de 100 mil livrarias do mundo estão abertas à mesma hora" para celebrar a feitiçaria juvenil em vésperas de Carnaval.

"Ele começou a ler há relativamente pouco tempo e foi um devorar de todos os livros", revelou Sílvia Sá Dias, que aproveitou a vontade do filho de oito anos em querer mascarar-se de Harry Potter no Carnaval para o inscrever no evento e continuar a alimentar o seu gosto pela leitura.

Para Pedro, o melhor dos livros é que "têm muita ação, no fim", sobretudo quando se "invoca o veado mágico", um poder que gostava de possuir, embora não saiba explicar porquê.

Enquanto se preparavam poções mágicas por bruxas e feiticeiros mais velhos, Sebastião, de cinco anos, disse à Lusa que quer aprender a ler para poder saber mais sobre o seu feiticeiro favorito, de que só ainda conhece dos filmes.

"Porque ele é fixe", exclamou, invejando a capacidade de Harry Potter de tornar "tudo calmo e lento" e desejando que "a magia fosse realidade". "Gostava de fazer as pessoas parar", disse à Lusa, ressalvando que só se "se portassem mal", porque as faria andar, depois, ao "contar a até três com a varinha".

Fabiola Lucart e Hélder Santos, estudantes de Belas-Artes de 22 anos, cresceram com os livros de Harry Potter e louvam a moral das histórias que contemplam temas como "a amizade, a família, a vontade de viver e lutar pelas coisas que queremos".

"Acompanhou a minha vida, cresci com as personagens e com a história", considerou Hélder Santos, para quem a principal moral dos livros reside na explicação de que "os tempos podem ser negros, mas isso só faz com que se cresça".

A "Harry Potter Book Night" desenrolou-se em simultâneo em várias cidades de todo o mundo, com recitais de excertos de livros, fabrico de "poções mágicas" gastronómicas e atividades que fazem com que os visitantes, com a média de idades, na Lello, a rondar os 12 anos, se sintam como alunos da escola de feitiçaria de Hogwarts.

Lusa

  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.