sicnot

Perfil

Cultura

Artistas querem 1% do PIB e um novo rumo para a cultura

A plataforma Cultura em Luta, composta por organizações como sindicatos e entidades da área da criação artística, defende que o setor deve receber 1% do PIB e "entrar num novo rumo" em 2016.

Teatro Nacional de São Carlos.

Teatro Nacional de São Carlos.

www.tnsc.pt

Esta posição será apresentada hoje, em conferência de imprensa prevista para as 11:30, na Casa do Alentejo, em Lisboa, onde representantes de 67 estruturas de todo o país divulgam um comunicado conjunto e ações de luta, na sequência das iniciativas realizadas no ano passado.

Contactado pela agência Lusa, Pedro Penilo, membro do grupo de coordenação da Plataforma Cultura em Luta, explicou que, "face ao novo quadro político, as estruturas consideraram que deveriam mobilizar-se para reafirmar a posição e objetivos para estabelecer um novo rumo para a cultura".

"A política cultural tem sido desastrosa nas últimas décadas e o subfinanciamento atingiu níveis insustentáveis, provocando a destruição do tecido social e cultural, a precariedade no trabalho e até a emigração de muitos artistas", descreveu o responsável.

Pedro Penilo disse que "é grande a apreensão sobre o que se vai passar na cultura, no próximo ano, com a provável justificação de uma política de austeridade e pressões externas".

"Temos um ministro da Cultura [João Soares], mas não temos um Ministério da Cultura, porque não há orçamento que chegue para as necessidades do setor. Por aquilo que sabemos, o orçamento para a cultura está a ser construído através do cruzamento de uma série de tutelas", afirmou o representante da plataforma.

A proposta de Orçamento do Estado para 2016, aprovada quinta-feira, em Conselho de Ministros, deve dar entrada hoje, na Assembleia da República.

"A área da cultura é extremamente frágil e a questão do financiamento é central", sublinhou o membro da plataforma que é constituída por entidades das diversas áreas da atividade cultural, associações, sindicatos, entidades das áreas da criação e produção artística, da conservação e gestão do património histórico e arqueológico, do associativismo cultural, e da defesa dos direitos dos trabalhadores da cultura.

Em maio e junho do ano passado, a plataforma realizou a campanha "Dias da Cultura em Luta", com iniciativas de protesto e informação ao público - como espetáculos, intervenções públicas, desfiles e debates - em Lisboa, Coimbra, Almada e Évora.

Entre os subscritores envolvidos na campanha, estão a Associação das Coletividades Concelho Lisboa (ACCL), a Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), a Associação Portuguesa de Realizadores (APR), a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual (CENA).

A Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD), a Escola da Noite -- Coimbra, a Associação Barreiro - Património, Memória e Futuro, a IMARGEM - Associação de Artistas Plásticos de Almada, a Loucomotiva - Grupo de Teatro de Taveiro e os Músicos de Coimbra também aderiram.

Lusa

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.