sicnot

Perfil

Cultura

Cinemas europeus com mais espectadores em 2015

As salas de cinema da Europa tiveram 1.210 milhões de espectadores em 2015, um aumento de 5,2% face a 2014, com Portugal, Finlândia e Dinamarca a contribuirem para essa subida, revelou hoje o MEDIA Salles.

© Agencja Gazeta / Reuters

Estes são dados preliminares, da exibição cinematográfica no espaço europeu, revelados hoje pelo projeto MEDIA Salles, do Programa Media da União Europeia, e que serão apresentados esta semana à margem do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que começa na quinta-feira.

Com base nas informações estatísticas já disponibilizadas por 32 países, no que toca à exibição comercial, em 2015 contabilizaram-se 1.210 milhões de espectadores, contra os 1.151 milhões de 2014.

"Foi um bom ano para os cinemas europeus", afirmou o presidente do MEDIA Salles, Paolo Protti.

Entre os países que registaram maior aumento de frequência de cinema em circuito comercial estão Portugal (com um aumento de 20,4%), Finlândia (20,3%) e Dinamarca (15,8%).

Em janeiro, o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) já tinha anunciado que em 2015, Portugal contabilizou 14,5 milhões de espectadores, ou seja, mais 2,5 milhões de espectadores - cerca de 20 por cento - do que em 2014.

Entre os países com maiores taxas de exibição, a Alemanha e Reino Unido também registaram subidas nos hábitos de consumo de cinema dos espectadores, enquanto França teve uma ligeira descida, de 1,4%.

O MEDIA Salles assinala ainda uma aceleração do processo de conversão tecnológica das salas de cinema, registando a existência de 36.200 salas com projeção em digital, cerca de 95% do panorama do circuito comercial.

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.