sicnot

Perfil

Cultura

Um mês após a sua morte, Bowie vende 15 mil bilhetes em museu

Os anfitriões da última paragem europeia da retrospetiva da carreira de David Bowie não imaginavam há um mês que iriam erigir um memorial no museu Groninger, na Holanda, assim como vender 15 mil bilhetes num só dia.

© Dylan Martinez / Reuters

Fatos de palco, fotografias, desenhos e pautas contabilizam-se entre os 300 objetos em exposição desde 11 de dezembro de 2015, altura em que "se tinham vendido cerca de 30 mil bilhetes", relata Karina Smrkovsky, responsável de comunicação do museu.

Conhecida a morte do britânico, a 10 de janeiro, a procura disparou e, exatamente um mês depois, passaram 82 mil pessoas pela exposição "David Bowie is" ("David Bowie é") e mais de 130 mil garantiram entradas pela internet.

A maior parte dos visitantes vem da Holanda, das vizinhas Bélgica e Alemanha e do Reino Unido, mas há "verdadeiros fãs", como conta a responsável, a viajar desde os Estados Unidos, Austrália e do Japão, que receberá a exposição em 2017.

Com objetos do arquivo pessoal do artista, a exposição esteve em Toronto, São Paulo, Berlim, Chicago e Melbourne, mas foi Groningen a acrescentar à fotografia de Bowie a interpretar a canção "Rebel, Rebel", de pala no olho e guitarra na mão, a data de nascimento (08.01.1947) e a data da morte (10.01.2016).

A foto gigante foi colocada à entrada do museu a servir de fundo a um memorial, que ostenta outros retratos icónicos, um livro de dedicatórias e uma jarra com rosas brancas.

"Logo depois da notícia da morte, organizámos um canto especialmente para os visitantes que não podem pagar o bilhete para a exposição, mas que sentem que têm de fazer algo com as suas emoções", diz Karina Smrkovsky.

Num outro livro, mesmo à saída da exposição, Paula inscreveu: "David Bowie para sempre" e desenhou um coração à volta, enquanto destaca como favoritos da obra do artistas o filme "The Hunger" ("Fome de Viver") e a canção "Absolute Begginers".

Com a exposição, que começa com fotos de Bowie aos 10 meses e termina no álbum Next Day (de 2013), a visitante holandesa aprendeu muito mais "sobre colaborações, filmes e músicas" do cantor. Ao lado, a sua mãe, em tom mais comedido, relata "ter reconhecido canções", mas não deixa de concluir que Bowie "era muito jovem para a sua idade (69 anos)".

Com a possibilidade de percorrer, como todos os visitantes, a exposição apenas numa hora, Mark já coloca a hipótese de regressar porque não ficou totalmente satisfeito, apesar de "no pouco tempo" que ali esteve já achar que "foi muito especial".

"I, I will be king. And you, you will be queen", trauteia o visitante quando desafiado a eleger a canção preferida de Bowie, que assim revela ser "Heroes".

A exposição chegou à cidade do norte da Holanda porque o museu "não apresenta a Arte apenas em quadros". "Temos moda e música", sublinha Karina Smrkovsky, ao lembrar a exposição sobre outro cantor, Marilyn Manson, em 2014.

Além dos objetos pessoais e de enquadramento, como um 'poster' do filme "Laranja Mecânica" - determinante para a estética da personagem Ziggy Stardust - há vídeos de filmes e musicais.

Nos auscultadores distribuídos também se ouvem testemunhos áudio com Bowie, por exemplo, a confessar a dúvida "entre ser uma estrela de rock ou um budista".

A presença quase permanente de música nos ouvidos também tem chegado a muitos pés, como conta a responsável do museu, que testemunhou pessoas descalças para dançarem no segundo piso da exposição, ao som de um concerto de Bowie em Berlim.

"Normalmente, nos museus de Arte, as pessoas estão paradas, a pensar e em silêncio, e aqui estão a dançar e acho que isso é mesmo especial", diz Karina Smrkovsky, recordando ter assistido também a lágrimas, depois de Bowie morrer.

Para contar quase 50 anos de carreira são utilizadas muitas definições, ao longo dos dois pisos, que começa com "David Bowie is not David Jones" (o seu nome de nascimento).

Depois surgem as variações de "David Bowie is", desde aquele que "pensa no mundo que será ", ao que "veste o que quer" ou "flutua numa forma particular".

No colocado no memorial, um fã deu outra definição: "David Bowie is, was and eill be" ("David Bowie é, foi, e será").

Lusa

  • Lady Gaga vai homenagear David Bowie nos Grammys

    Cultura

    Lady Gaga vai prestar tributo a David Bowie, que morreu no mês passado, durante a cerimónia dos Grammys, marcada para o próximo dia 15, anunciaram, esta terça-feira, os organizadores da gala anual da indústria musical norte-americana.

  • Divulgado testamento de David Bowie
    2:01

    David Bowie 1947-2016

    As cinzas de David Bowie vão ser espalhadas na ilha de Bali, na Indonésia. O desejo do cantor consta do testamento em que deixou uma fortuna de 92 milhões de euros à família. Vinte dias após a sua morte, foi tornado publico o testamento de David Bowie.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário ou ainda esta sexta-feira, em formato online.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.