sicnot

Perfil

Cultura

Ofélia, único amor de Pessoa, evocada no Dia dos Namorados em Lisboa

Ofélia Queiroz, a única namorada conhecida de Fernando Pessoa, vai ser evocada no domingo, Dia dos Namorados, no Cemitério dos Prazeres, com uma leitura de cartas trocadas entre ambos, numa iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa (CML).

1888 - Nasce o escritor português Fernando Pessoa, autor de "Tabacaria", criador dos heterónimos Álvaro de Campos, Ricardo Reis, Alberto Caeiro.

1888 - Nasce o escritor português Fernando Pessoa, autor de "Tabacaria", criador dos heterónimos Álvaro de Campos, Ricardo Reis, Alberto Caeiro.

Os restos mortais de Ofélia, que morreu em 1991, e que se encontrava sepultada no Alto de São João, foram esta semana trasladados para o cemitério dos Prazeres, em Lisboa, onde decorrerá domingo, às 14:00, uma cerimónia oficial, segundo a autarquia.

No local, com a presença de vários responsáveis da CML, e do professor Eduardo Lourenço, vão ser lidas cartas trocadas por Ofélia e Pessoa, pelos atores Inês de Medeiros e Pedro Górgia.

"Será um momento de evocação de Ofélia como namorada de Fernando Pessoa", disse à agência Lusa José Manuel dos Santos, diretor cultural da Fundação EDP, responsável pela escolha das frases do escritor e da sua amada que foram colocadas na lápide de Ofélia.

"Ela terá sido a única namorada de Pessoa, mas é difícil dizer se o terá sido no sentido romântico ou erótico. Sabe-se que tinha por ela grande ternura, mas os seus grandes amores foram a mãe e o pensamento", sustentou José Manuel dos Santos.

Na lápide foram inscritas as frases, retiradas de cartas: "Gosto muito, mesmo muito da Ofelinha. Aprecio muito, muitíssimo, a sua índole e o seu caráter. Se casar não casarei senão consigo", ao que ela respondeu, "Agradeço muito os teus beijos e envio-te muitíssimos e muitos chi-corações apertados. Da tua, sempre mesmo muito tua, Ofélia".

Para José Manuel dos Santos, esta relação entre ambos "terá sido, como já disse Eduardo Lourenço, mais uma ficção de Pessoa sobre a sua própria vida".

"Com as limitações da época e da sua condição, Ofélia revelou uma grande inteligência e sabedoria na forma como conseguiu lidar com Fernando Pessoa", comentou, ressalvando que, pese embora a grande ternura que o escritor tinha por esta mulher, a obra dele não lhe permitia dedicar-se-lhe totalmente.

Por isso mesmo, ele escreveu: "Querem-me casado, fútil, quotidiano e tributável?", uma ideia que revela "o que verdadeiramente pensava do casamento e do desinteresse por esse lado da vida", sustenta José Manuel dos Santos.

O diretor cultural da Fundação EDP recordou que Pessoa chegou a estar sepultado no cemitério dos Prazeres durante 50 anos, antes de ser trasladado, em 1985, para o Mosteiro dos Jerónimos, "mas ainda há muitos turistas o procuram lá", onde agora se encontra Ofélia.

Apontou ainda que a CML está a pensar criar, no âmbito de roteiros sobre cemitérios em Lisboa, um circuito pessoano, pois nos Prazeres estão sepultados vários membros da família do escritor, nascido em 1888 e falecido em 1935.

A evocação de Ofélia, segundo a autarquia, vai contar ainda com a presença do vice-presidente da CML, Duarte Cordeiro, da vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, e da autora do livro "Cartas de Amor de Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz", Manuela Pereira.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.