sicnot

Perfil

Cultura

"O Quarto" de Van Gogh remodelado digitalmente

O quadro "O Quarto" de Van Gogh foi perdendo a vivacidade das cores originais ao longo do tempo. Numa exposição nos EUA é possível ver digitalmente como eram as três versões que o pintor holandês realizou entre 1888 e 1889.

"O Quarto" de 1888 que está no Museu Van Gogh Museum em Amesterdão.

"O Quarto" de 1888 que está no Museu Van Gogh Museum em Amesterdão.

"O Quarto" de 1889 que está no The Art Institute of Chicago.

"O Quarto" de 1889 que está no The Art Institute of Chicago.

"O Quarto" de 1889 que está no Musée d’Orsay, Paris.

"O Quarto" de 1889 que está no Musée d’Orsay, Paris.

Os três quadros do quarto de Vincent Van Gogh em Arles estão expostos juntos pela segunda vez em mais de um século no The Art Institute of Chicago, EUA. É lá que é possível ver as cores originais através de computador - azul, lilás e roxo das paredes e da porta que se foram degradando com o tempo.

"Esta é apenas uma ideia que temos de como seriam as cores", explicou a conservadora Francesca Casadio, do Instituto Mellon em Chicago, responsável pelo restauro digital.

Foi através das cartas trocadas entre van Gogh e o irmão Theo que os cientistas suspeitaram que os quadros já não deviam ter as cores originais. Na correspondência Vincent descrevia exatamente como cada pintura deveria ser.

"Descreve tudo em detalhe - que a mobília era amarela, o cobertor vermelho, as paredes lilás, as portas roxas. Hoje em dia a parede é azul clara", disse Francesca Casadio.

Retiraram então uma lasca da pintura da parede e, ao examinar ao microscópio, descobriram vestígios do pigmento original - carmin ou cochonilha que é extraído de alguns insectos mas que acaba por desvanencer com o tempo. "E claro, rosa com azul dá roxo", relembrou.

Usando raios-x, conseguiram determinar quais os outros pigmentos e, com toda a informação junta pelas várias técnicas, os cientistas conseguiram chegar às cores originais e representá-las em computador.

As três versões do quarto de Van Gogh em Arles, França, espalhadas por três museus: Paris, Amesterdão e Chicago, foram pintadas entre 1888 e 1889.

Ironicamente, sabe-se hoje em dia que as paredes nessa casa eram brancas.

  • Oliveira Costa "era incompetente para todos os lugares em que eu o vi"
    3:12
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    O caso BPN esteve em destaque no programa Quadratura do Circulo desta quinta-feira. Pacheco Pereira relembrou que os maiores prejuízos são posteriores à nacionalização e responsabiliza José Sócrates. O Jorge Coelho disse que se fez justiça e que é uma prova que o Estado de direito português está a funcionar. Lobo Xavier garantiu também que Oliveira Costa era incompetente por natureza.

  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33

    Mundo

    O Presidente do Brasil diz ter condições para continuar à frente do Palácio do Planalto. Num vídeo publicado no Twitter, Michel Temer garante que o país não parou, nem vai parar, mas há uma nova gravação que pode comprometer o futuro do chefe de Estado.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Marcelo na peregrinação de Nossa Senhora de Fátima no Luxemburgo

    Mundo

    O Presidente da República participou esta quinta-feira, a título privado, na peregrinação em honra de Nossa Senhora de Fátima, na cidade luxemburguesa de Wiltz. Milhares de portugueses receberam Marcelo Rebelo de Sousa, que assistiu à missa e, durante alguns minutos, participou na procissão.