sicnot

Perfil

Cultura

Kendrick Lamar e Taylor Swift foram os grandes vencedores dos Grammy

O rapper norte-americano Kendrick Lamar, com cinco galardões, e a cantora Taylor Swift, com três, incluindo o melhor álbum por "1989", foram os grandes vencedores da 58.ª edição dos Prémio Grammy, entregues, esta noite, em Los Angeles.

Kendrick Lamar e Taylor Swift foram os grandes vencedores dos Grammy

Kendrick Lamar e Taylor Swift foram os grandes vencedores dos Grammy

© Mario Anzuoni / Reuters

Kendrick Lamar foi distinguido pelo melhor álbum de rap ("To Pimp Up a Butterfly"), melhor canção e atuação de rap ("Alright"), melhor colaboração de rap ("These Walls") e melhor 'videoclip', por "Bad Blood" (com Taylor Swift).

Contudo, o galardão mais ambicionado -- o de melhor álbum do ano -- foi para Taylor Swift, que venceu também na categoria de melhor 'videoclip' ("Bad Blood") e de melhor álbum de pop vocal.

Kendrick Lamar estava indicado para 11 prémios da indústria discográfica norte-americana, enquanto Taylor Swift somava sete nomeações, tendo-se tornado a primeira artista feminina a ganhar por duas vezes o Grammy para o melhor álbum do ano.

O grupo americano Alabama Shakes foi outro dos vencedores, ao arrecadar três prémios: melhor álbum de música alternativa ("Sound & Color"), melhor canção rock e melhor atuação rock ("Don't Wanna Fight").

O cantor britânico Ed Sheeran obteve dois gramofones, um dos quais pela melhor canção ("Thinking Out Loud").

Mark Ronson e Bruno Mars também foram agraciados com dois Grammy, incluindo o de melhor gravação, por "Uptown Funk".

Igualmente com um par de galardões foram para casa Little Big Town, The Weeknd, D'Angelo, Jason Isbell e Chris Stapleton.

O Grammy de artista revelação foi entregue a Meghan Trainor.

Já a melhor gravação de ópera foi para uma versão de "L'Enfant Et Les Sortilèges", de Ravel, numa categoria para a qual estava nomeada "Il ritorno d'Ulisse in Patria", de Monteverdi, pela orquestra Boston Baroque, com a participação dos cantores portugueses Fernando Guimarães e João Fernandes.

Muse venceu o melhor álbum de rock ("Drones"), Skrillex & Diplo arrecadaram o Grammy de melhor álbum de eletrónica ("Skrillex & Diplo present Jack Ü") e Chris Stapleton ganhou o melhor disco de country ("Traveller").

Na categoria de World Music, em que o brasileiro Gilberto Gil figurava entre os nomeados, ganhou Angelique Kidjo ("Sings").

A pianista brasileira Eliane Elías venceu, com "Made In Brazil", o galardão de melhor álbum de jazz latino.

O ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter recebeu o Grammy de melhor álbum falado ("A Full Life: Reflections at Ninety"); enquanto o lendário Tony Bennett levou para casa o seu 18.º gramofone, após triunfar na categoria de melhor álbum de pop vocal tradicional.

O tiro de partida da cerimónia dos Prémios Grammy ficou a cargo de Taylor Swift. Seguiram-se as atuações de Sam Hunt e Carrie Underwood e The Weeknd. Andra Day com Ellie Goulding ("Rise Up" e "Love Me Like You Do") precederam a homenagem a Lionel Richie, que recebeu o prémio Personalidade do Ano, em que artistas como John Legend ou Demi Lovato se reuniram para recordar alguns clássicos como "Easy" ou "You Are".

Little Big Town interpretaram a sua balada "Girl Crush" antes de Stevie Wonder cantar "That's The Way Of The World" para homenagear o falecido Maurice White do grupo Earth, Wind & Fire. Outro dos momentos da noite teve o 'carimbo' de Jackson Browne e The Eagles, que interpretaram "Take It Easy", em memória do desaparecido Glenn Frey.

Kendrick Lamar interpretou "The Blacker The Berry" e "Alright", encerrando a sua atuação com a projeção do mapa africano impresso com a palavra Compton, a sua cidade natal.

Após quatro anos de ausência, Adele voltou aos Grammy, acompanhada ao piano, numa cerimónia que também contou com Justin Bieber.

Outro ponto alto foi a atuação de Lady Gaga, que com um jogo de luzes que desenhava sobre o seu rosto as mil e uma caras de David Bowie, protagonizou um espetáculo em que cruzou músicas do falecido artista britânico como "Space Oddity", "Changes" e "Heroes".

Chris Stapleton, Gary Clark Jr. e Bonnie Raitt prestaram homenagem a B.B. King.

  • Biológicos nas escolas e nos telemóveis

    País

    O Governo vai criar o Dia Nacional da Alimentação Biológica e uma estratégia que passa por distribuir produtos biológicos nas escolas e criar uma aplicação móvel para os portugueses poderem localizar unidades de produção ou comercialização de produtos biológicos, segundo a Estratégia Nacional que será hoje apresentada.

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.