sicnot

Perfil

Cultura

Morreu Umberto Eco

O escritor e filósofo italiano Umberto Eco, autor de sucessos como "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Foucault" morreu esta sexta-feira, aos 84 anos, na sua residência, em Milão.

Umberto Eco, Escritor, semiólogo e historiador. (Arquivo/AP)

Umberto Eco, Escritor, semiólogo e historiador. (Arquivo/AP)

Sebastian Scheiner / AP

A notícia da morte foi comunicada pela família ao jornal italiano La Repubblica. O óbito ocorreu às 22:30 (21:30 em Lisboa).

Semiólogo, filósofo, escritor e professor universitário, Umberto Eco nasceu a 5 de janeiro de 1932 em Alessandria, no noroeste de Itália, na região de Piemonte.

Estreou-se nos livros de ficção em 1980 com "O Nome da Rosa", que lhe valeu o Prémio Strega, em 1981. A este livro, que foi traduzido em várias línguas, sucederam-se outros títulos, como "O Pêndulo de Foucault", "A ilha do dia antes", "Baudolino", "A misteriosa chama da rainha Loana" e "O cemitério de Praga".

No ano passado editou "Número Zero", que coloca questões sobre jornalismo e as novas plataformas digitais, escolhendo como cenário narrativo a redação de um jornal diário.

Umberto Eco morreu aos 84 anos.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.