sicnot

Perfil

Cultura

Nova música da América do Sul em julho no Festival Músicas do Mundo de Sines

Os colombianos Alibombo, que fazem da reciclagem matéria de criação, e os brasileiros Bixiga 70, reflexo da vida multicultural de São Paulo, vão estar em julho, no Festival Músicas do Mundo (FMM) de Sines.

CM Sines

Estes são dois dos setes artistas que a organização do FMM de Sines anunciou hoje, para a 18.ª edição do FMM de Sines, marcado de 22 e 30 de julho, e que representam "os caminhos alternativos da nova música sul-americana".

Alibombo é um projeto de percussão nascido em 2009, em Medellín, pela mão dos percussionistas Davide Colorado e Lucas Jaramillo. A partir da reciclagem de desperdícios, os dois músicos criam novos ritmos, sem esquecerem as músicas tradicionais colombianas.

Os Bexiga 70, formados na melhor tradição das orquestras africanas, como os Afrika 70, de Fela Kuti - refere a organização do festival -, são compostos por dez músicos que espelham a diversidade musical e cultural de São Paulo. Na música deste grupo há samba, candomblé, música mandinga guineense e cumbia.

No FMM de Sines estarão ainda outros dois nomes brasileiros: os Graveola, que estiveram em Sines, em 2010, que regressam a Portugal para fechar uma digressão europeia, e BNegão, ex-Planet Hemp, e que faz agora parte dos Seletores de Frequência, grupo que pratica um "rap futurista", influenciado por Tom Zé.

De regresso ao festival de Sines, onde esteve em 2011 com o supergrupo Congotronics vs Rockers, estará também a cantora argentina Juana Molina.

Além de Alibombo, da Colômbia viajarão ainda os Los Pirañas, trio experimental e psicadélico, e os Systema Solar, um "coletivo músico-visual da região Caribe, especializado nas vibrações afrocaribenhas".

O Festival Músicas do Mundo de Sines, que é organizado pela câmara municipal, tinha já anunciado, para o cartaz de 2016, as presenças de Billy Bragg, The Unthanks e The Comet is Coming, todos do Reino Unido.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11