sicnot

Perfil

Cultura

"Livro do Desassossego" apresentado em Londres sob a batuta de Joana Carneiro

A maestrina Joana Carneiro dirige, hoje, em Londres, a London Sinfonietta, na apresentação do espetáculo multimédia do holandês Michael Van der Aa, baseado na obra de Fernando Pessoa/Bernardo Soares, "Livro do Desassossego".

(berkeleysymphony.org)

(berkeleysymphony.org)


A peça, "The book of disquiet" ("O livro do desassossego"), que vai subir ao palco do Teatro Coronet, hoje e quinta-feira, é a versão inglesa do espetáculo, apresentado pela primeira vez em 2009, em alemão, em Linz, na Áustria, quando aquela cidade foi Capital da Europeia da Cultura.

Nesta edição em inglês, o papel de Bernardo Soares será interpretado pelo ator e realizador Samuel West.

O espetáculo mistura representação e música ao vivo, com música gravada e 'clips' de vídeo, nos quais se destacam a fadista Ana Moura e o ator João Reis.

Este último foi protagonista da versão portuguesa, apresentada pelo Remix Ensemble, na Casa da Música, em fevereiro de 2010.

Na altura, a Casa da Música descreveu o "espetáculo cénico" de Van der Aa, como uma ocasião "imperdível", envolvendo música ao vivo, representação em palco e um filme, rodado "com laivos do universo sonoro português, nos bairros de Lisboa, que o poeta percorria".

O compositor holandês Michel van der Aa nasceu em 1970, e os seus espetáculos contemplam, regularmente, a interação de diferentes expressões, da música ao cinema e à encenação em palco.

Antigo discípulo de Louis Andriessen e Gilius van Bergeijk, foi definido pelo Financial Times como um criador que "desafia os limites de todas as suas áreas de atividade".

  • João Galamba deixa de ser porta-voz do PS

    País

    João Galamba vai deixar de ser porta-voz do PS e de integrar a comissão permanente do partido. A nova porta-voz dos socialistas vai ser Maria Antónia Almeida Santos, que já integrava a comissão independente, órgão de direção política do PS.

  • Mariano Rajoy não vai convocar eleições antecipadas
    1:24

    Mundo

    O governo espanhol está por um fio por causa de um processo de corrupção a envolver dirigentes do PP. O PSOE apresentou uma moção de censura e o Ciudadanos pede eleições antecipadas. O chefe do governo, Mariano Rajoy, já disse que não vai convocar eleições.