sicnot

Perfil

Cultura

Tolentino Mendonça tem um sonho que é ver o silêncio Património Imaterial

O vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa José Tolentino Mendonça disse hoje ter um sonho, que é o de ver um dia o silêncio ser consagrado como Património Imaterial da Humanidade.

Na conferência de abertura do Correntes d'Escritas deste ano, na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, Tolentino Mendonça afirmou, sob o título de "O silêncio dos livros", que "o silêncio também é uma escola de paz, de reconfiguração do real".

"Nesse sentido, um sonho meu que aqui partilho é ver um dia o silêncio declarado Património Imaterial da Humanidade. Porque nós declaramos património as grandes construções, o canto, todas as coisas associadas à expressão, e esquecemo-nos que o silêncio também é uma forma de expressão extraordinária e que, no silêncio, experimentamos muitas vezes uma comunhão, uma proximidade, que nenhuma palavra do mundo é capaz de nos fazer sentir", disse o também consultor do Conselho Pontifício para a Cultura.

Perante um Cineteatro Garrett cheio, Tolentino Mendonça disse que as sociedades ocidentais estão a atravessar uma "silenciosa mudança de paradigma": "O excesso de emoções, de informação, de expectativas, de solicitações, está a atropelar a pessoa e a empurrá-la para um estado de fadiga de onde é cada vez mais difícil retornar".

Ao mesmo tempo e nesse contexto, Tolentino Mendonça recorreu a Susan Sontag por diversas vezes, em particular para abordar o discurso mediático: "Nós vivemos na sociedade do comentário e vemos hoje isso levado quase à loucura no espaço público português, onde, do futebol à política à cultura, vivemos na sociedade do comentário".

O também escritor sublinhou que "os livros estão cheios de memória, dos cheiros, dos tatos, daquilo que se dá e se recebe e não recebe, dos sabores, das visões [que iluminam ou aterrorizam]".

Questionado pelo político Manuel Alegre, que participa na primeira mesa redonda de hoje, sobre, no domínio do silêncio, se o derradeiro poema não é o que fica por dizer ou escrever, Tolentino Mendonça respondeu: "Um escritor é um bicho silencioso. Mesmo um animal político como o Manuel Alegre é um bicho silencioso como poeta. Seguramente porque é da ruminação desse silêncio que o encontro profundo com a palavra pode acontecer".

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.