sicnot

Perfil

Cultura

Tolentino Mendonça tem um sonho que é ver o silêncio Património Imaterial

O vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa José Tolentino Mendonça disse hoje ter um sonho, que é o de ver um dia o silêncio ser consagrado como Património Imaterial da Humanidade.

Na conferência de abertura do Correntes d'Escritas deste ano, na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, Tolentino Mendonça afirmou, sob o título de "O silêncio dos livros", que "o silêncio também é uma escola de paz, de reconfiguração do real".

"Nesse sentido, um sonho meu que aqui partilho é ver um dia o silêncio declarado Património Imaterial da Humanidade. Porque nós declaramos património as grandes construções, o canto, todas as coisas associadas à expressão, e esquecemo-nos que o silêncio também é uma forma de expressão extraordinária e que, no silêncio, experimentamos muitas vezes uma comunhão, uma proximidade, que nenhuma palavra do mundo é capaz de nos fazer sentir", disse o também consultor do Conselho Pontifício para a Cultura.

Perante um Cineteatro Garrett cheio, Tolentino Mendonça disse que as sociedades ocidentais estão a atravessar uma "silenciosa mudança de paradigma": "O excesso de emoções, de informação, de expectativas, de solicitações, está a atropelar a pessoa e a empurrá-la para um estado de fadiga de onde é cada vez mais difícil retornar".

Ao mesmo tempo e nesse contexto, Tolentino Mendonça recorreu a Susan Sontag por diversas vezes, em particular para abordar o discurso mediático: "Nós vivemos na sociedade do comentário e vemos hoje isso levado quase à loucura no espaço público português, onde, do futebol à política à cultura, vivemos na sociedade do comentário".

O também escritor sublinhou que "os livros estão cheios de memória, dos cheiros, dos tatos, daquilo que se dá e se recebe e não recebe, dos sabores, das visões [que iluminam ou aterrorizam]".

Questionado pelo político Manuel Alegre, que participa na primeira mesa redonda de hoje, sobre, no domínio do silêncio, se o derradeiro poema não é o que fica por dizer ou escrever, Tolentino Mendonça respondeu: "Um escritor é um bicho silencioso. Mesmo um animal político como o Manuel Alegre é um bicho silencioso como poeta. Seguramente porque é da ruminação desse silêncio que o encontro profundo com a palavra pode acontecer".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.