sicnot

Perfil

Cultura

Editora Guerra e Paz publica "A minha luta" de Hitler

"Mein kampf", de Adolfo Hitler (1889-1945), "um dos livros mais nefastos da história", é publicado a 02 de março, numa "edição de capa dura, com cerca de 50 fotografias e um grafismo ambicioso", segundo a editora Guerra e Paz.

Michael Gottschalk/dapd

"A democracia deve conhecer os seus inimigos", diz a editora, na apresentação do livro, no seu sítio na internet. "Este livro, mal escrito, de teses abomináveis, foi a bíblia de um movimento, o nazismo, que dilacerou a Europa, primeiro, e o mundo a seguir. Um documento com esta natureza deve ser conhecido e deve ser publicado".

"Para comemorar o 10.º aniversário, a Guerra e Paz está a publicar uma trilogia de 'livros malditos'", afirma em comunicado, acrescentando que são "malditos por estarem inegavelmente ligados às maiores tragédias e genocídios do século XX".

O primeiro livro editado foi o "Manifesto Comunista", de Karl Marx e Friedrich Engels, no passado dia 20 de janeiro, e, em maio, "estará nas livrarias o 'Pequeno livro vermelho', de Mao Tsé-tung".

A edição de "Mein kampf -- A minha luta", com texto integral de Adolfo Hitler, numa tradução e adaptação de António Rodrigues e da equipa Guerra e Paz, coteja a edição brasileira, de autoria de Júlio de Matos e Biapina, com a edição inglesa de James Murphy, ambas realizadas com base no original alemão.

Adolf Hitler, nascido na Áustria, sob a coroa austro-húngara, serviu o Exército do imperador alemão Guilherme II, na I Grande Guerra (1914-1918), fundou o Partido Nacional-Socialista (Nazi) e liderou os destinos da Alemanha, de 1933 a 1945, utilizando o título de "führer" (chefe supremo), desde 1934.

O texto de Hitler é precedido por "mais de 100 páginas de análise histórica do nazismo, dos métodos que levaram Hitler ao poder e do hediondo crime que culminou com as câmaras de gás e os fornos crematórios do holocausto", segundo a editora.

O livro inclui ainda um artigo, de 20 páginas, que "sublinham a derrota militar e o suicídio de Hitler".

"O 'Mein Kampf' é um livro de ódio. Mas é, também, um livro imprescindível para a compreensão da utopia racial nazi, que é parte dos movimentos revolucionários do século XX", afirma a editora, reforçando tratar-se de um "livro maldito", pelo que a sua publicação exige uma contextualização histórica, através de um conjunto de textos e notas assinados pelo editor, Manuel S. Fonseca, que evoca as circunstâncias da ascensão de Hitler ao poder e o "crime do nazismo, ensaiando-se uma breve análise dos principais traços da personalidade de Adolf Hitler".

"O ódio de Adolf Hitler foi devastador. Trouxe um inominável cortejo de sofrimento, seis milhões de judeus mortos, mas é muito importante sublinhar um ponto: Hitler perdeu, foi vencido pela guerra que o Exército soviético e os Exércitos aliados lhe fizeram", realça no texto o editor Manuel S. Fonseca.

"Temos, hoje, a perceção do que, neste livro, é demagógico, do que, neste livro, de que Hitler é autor, são mentiras e meias-mentiras, do que, no 'Mein kampf', é acientífico e obscurantista, do que nele é criminoso", segundo o editor.

Assinala Manuel S. Fonseca que "o ódio de 'Mein kampf' só pode ser repetido por ignorância ou por patologia".

"Hitler perdeu", escreve. "Há veneno em 'Mein kampf'".

"Com a informação que hoje temos, lê-lo faz parte do antídoto que está, agora, ao alcance de todos", remata Manuel S. Fonseca.

Esta é uma edição cartonada, com lombadas pintadas à mão, "inovadora estampagem de suásticas e grafismo de Ilídio Vasco".

"Pelas sugestões a que induz, o grafismo de Ilídio Vasco é, aliás, intérprete e coautor da obra", afirma a Guerra e Paz.

No final de 2015, a E-Primatur publicou o livro de Adolf Hiltler, 40 anos após a primeira edição em Portugal, pelas Edições Afrodite/Fernando Ribeiro de Mello, retomando esse texto, resultante da tradução brasileira originalmente publicada pela Globo, que foi revista e acrescentada, segundo o original, de acordo com a editora.

Lusa

  • Ministro garante segurança nas escolas com uso de poliuretano
    0:52

    País

    O ministro da Educação garante que as escolas estão em segurança e que não há perigo com um material como o poliuretano. Tiago Brandão Rodrigues respondia, esta quarta-feira, a uma pergunta dos Verdes sobre a substituição de amianto nas escolas.

  • Estoril garante que estrutura da bancada não está em causa
    2:23

    Desporto

    O Laboratório Nacional de Engenharia Civil deverá emitir esta quinta-feira um parecer preliminar sobre a bancada norte do estádio do Estoril-Praia. O clube garante que a estrutura não está em causa e que, tal como a câmara de Cascais, aguarda por conclusões para uma edificação feita no vale da Amoreira.

  • "Quem me dera que a bancada do Estoril fosse com o c......"

    Desporto

    Depois da polémica no jogo entre Estoril-Praia e FC Porto, um cântico polémico da claque do Sporting sobre a bancada do estádio António Coimbra da Mota que obrigou à interrupção do jogo da passada segunda-feira. Tudo aconteceu durante um jogo do campeonato de hóquei em patins entre leões e dragões.

  • Ronaldo estará mesmo de saída do Real Madrid
    2:01
  • Várias alternativas para vender a sua casa
    8:58
  • Encontradas 86 pedras preciosas numa casa em Albufeira
    0:48
  • Registada em vídeo explosão de meteoro nos EUA
    0:42
  • "A Rússia não nos ajuda nada na Coreia do Norte"

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, condenou esta quarta-feira a postura da Rússia sobre a situação da Coreia do Norte, afirmando que o país está a minar os esforços internacionais em curso para isolar o regime de Kim Jong-Un.

  • Polícia descobre arte de esconder 750 quilos de droga em ananases
    2:25
  • Moscovo só teve seis minutos de luz solar em dezembro

    Mundo

    Os portugueses estão tão habituados ao sol, que nunca imaginariam passar um mês inteiro sem ele. O fenómeno aconteceu na capital russa. Moscovo bateu o recorde em dezembro, quando passou o mês inteiro sem luz solar direta. As pessoas de Moscovo viram o sol apenas durante seis minutos e a espreitar timidamente por entre as nuvens.

  • A maior lua de Saturno tem nível do mar tal como a Terra

    Mundo

    Titã, a maior lua de Saturno, tem uma altura média da superfície do mar, tal como a Terra, revela um estudo divulgado esta quarta-feira, que se baseia em observações feitas pela sonda norte-americana Cassini, cuja missão terminou em setembro.