sicnot

Perfil

Cultura

Teresa Salgueiro canta "Cânticos da tarde e da manhã" na apresentação da revista Invenir

A cantora Teresa Salgueiro interpreta, no sábado à noite, em Lisboa, "Cânticos da tarde e da manhã", no âmbito da apresentação do 11.º número da revista Invenire, do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja Católica.

O recital e a apresentação da revista, pelo historiador de arte Anísio Franco, conservador do Museu Nacional de Arte Antiga, estão agendados para as 21:30, na igreja dos Paulistas, em Lisboa, à calçada do Combro.

Em "Cânticos da tarde e da manhã", Teresa Salgueiro é acompanhada por Marlon Valente (acordeão) e Óscar Torres (contrabaixo), e conta com a participação especial do Coro Sacra Música.

Segundo o secretariado, o concerto de Teresa Salgueiro, ex-vocalista dos Madredeus, é uma "oratória que tem por base o registo discográfico de 17 hinos de Vésperas e Laudes, apresentando cânticos intercalados com leituras da Bíblia, a culmina no prólogo do Evangelho segundo S. João".

A Invenire é uma publicação semestral do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, "dedicada a informar sobre o património cultural, documental e artístico da Igreja Católica em Portugal", segundo a mesma fonte.

A revista "promove a articulação entre temas da atualidade, numa vertente informativa, e estudos de natureza científica, baseados em investigações originais".

Este número tem como destaque a "Evocações do paraíso. Iconografia da Idade Média", entre outros artigos, refira-se um sobre a "renovação barroca da igreja matriz de Bordeira, em Aljezur", "Retábulos policromos de alvenaria de cal e areia no norte do Alentejo", e a igreja de S. Pedro, em Peniche no tempo do barroco.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06