sicnot

Perfil

Cultura

PSD diz que decisão de demitir presidente do CCB é de "arrogância e prepotência"

O deputado Pedro Pimpão, do PSD, afirmou hoje que a decisão do ministro da Cultura, João Soares, de demitir o presidente da Fundação Centro Cultural de Belém (CCB), António Lamas, é de "arrogância e prepotência".

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

© Desmond Boylan / Reuters

Em declarações à agência Lusa, depois da discussão da proposta de Orçamento do Estado de 2016 para a Cultura, hoje, na Assembleia da República, o deputado lamentou a decisão "premeditada" do ministro João Soares em ter revelado que já tinha em mente uma pessoa para ocupar o lugar de António Lamas no CCB.

Hoje, João Soares afirmou aos deputados que, na segunda-feira, demitirá o presidente do CCB, caso este não se demita até lá. Em causa, nesta discordância entre António Lamas e João Soares, está o projeto de gestão integrada do chamado "eixo Belém-Ajuda", cuja estrutura de missão foi extinta na semana passada, em Conselho de Ministros.

"O facto de deixar de haver estrutura de missão não se pode confundir com a presidência do CCB", disse Pedro Pimpão.

Na audiência, sobre a pessoa que pretende ver no lugar de António Lamas, e sem a nomear, João Soares afirmou que é "uma solução alternativa, capaz, de alguém com experiência, bastante mais jovem, com provas dadas, nomeadamente ao nível de responsabilidades públicas num ministério", que já foi tutelado por Gabriela Canavilhas, atualmente deputada.

"Terá de haver uma mudança, o CCB tem de funcionar como a referência cultural que não foi nos últimos quatro anos", disse.

Contactada pela agência Lusa, fonte do CCB disse hoje à tarde que o "professor António Lamas se encontra incontactável". Em declarações anteriores ao jornal Público, António Lamas garantia que "ainda" é o presidente do CCB e que não pensa demitir-se.

João Soares afirmou que não tem "a menor das hostilidades do ponto de vista pessoal" com António Lamas -- nomeado presidente do CCB em 2014 -, mas lamentou "uma gestão pouco prudente", dando como exemplo que "seis milhões [de euros] das reservas foram gastos nos últimos tempos".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.