sicnot

Perfil

Cultura

Manila quer proibir espetáculos de Madonna por desrespeito da bandeira nacional

As Filipinas anunciaram hoje que pretendem proibir todos os concertos de Madonna no arquipélago, por esta ter "desrespeitado" a bandeira nacional num dos seus espetáculos realizados esta semana em Manila.

© Reuters Photographer / Reuter

Os meios de comunicação social divulgaram vídeos efetuados por espetadores que mostram a cantora dançando no palco com a bandeira filipina sobre os ombros. Não se sabe se as imagens datam de quarta ou quinta-feira.

"(O palácio presidencial de) Malacanang quer proibir a vencedora dos Grammy Awards e 'rainha do pop' Madonna de dar espetáculos nas Filipinas por ter desrespeitado a bandeira filipina num dos seus concertos", disse o porta-voz da Presidência, Herminio Coloma, à agência de notícias France Presse.

A lei de 1998 pune com prisão por um ano o uso da bandeira filipina num traje ou disfarce.

Esta é a segunda polémica da cantora de 57, com sucessos mundiais como "Like a Virgin", na sua digressão"Rebel Heart" [Coração Rebelde] pelas Filipinas.

Na quarta-feira, os bispos filipinos apelaram aos fiéis para que boicotassem os seus concertos, argumentando que os mesmos são obra do diabo.

As Filipinas "e todos aqueles que amam a Deus devem evitar o pecado e as ocasiões de pecado", escreve o arcebispo Dom Ramon Arguelles, em comunicado publicado no 'site' oficial da Conferência dos Bispos Católicos das Filipinas.

O arcebispo Arguelles já tinha feito uma campanha contra a visita de Lady Gaga a Manila em 2012, dizendo que também ela era emissária de Satanás.

Os bispos católicos das Filipinas, onde 80% dos habitantes são católicos devotos, são conhecidos pelo seu conservadorismo e não hesitam em dar a sua opinião sobre os mais diversos temas.

Um dia antes, o Arcebispo de Singapura tinha divulgado que não gostava de Madonna e advertiu os fiéis contra aqueles que "denigrem e insultam a religião", a alguns dias do concerto da estrela pop na cidade-estado.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário ou ainda esta sexta-feira, em formato online.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.