sicnot

Perfil

Cultura

Bairros históricos de Lisboa em percurso de arte contemporânea

Os bairros históricos lisboetas de Alfama, Castelo e Mouraria vão integrar um percurso urbano de 2,5 quilómetros com "uma exposição de larga escala de arte contemporânea", no âmbito da primeira edição do Paratissima em Lisboa.

© Rafael Marchante / Reuters

Este projeto de arte contemporânea vai estar disponível ao público de 20 a 24 de julho no território da freguesia lisboeta de Santa Maria Maior, apresentando obras de arte de "seis grandes quadros expositivos: fotografia, vídeo, artes visuais, artes plásticas, design e moda", disse à agência Lusa um dos responsáveis pela organização, Vitor Barros.

Com origem na cidade italiana de Turim em 2004, o Paratissima nasce de um movimento de rutura com a musealização e elitização da arte contemporânea, funcionando numa "lógica do 'unjuried festival', um festival sem seleção à partida dos artistas", e que pretende ser "completamente público, democrático e inclusivo", afirmou o organizador.

O Paratissima Lisboa vai criar um percurso urbano de 2,5 quilómetros com "uma exposição de larga escala de arte contemporânea" que percorre Alfama, Castelo e Mouraria, anunciou Vitor Barros, acrescentando que a visita ao público é gratuita.

"Queremos justamente ampliar a audiência que tradicionalmente está ligada ao consumo de arte contemporânea e estamos à espera que seja um público muito diversificado", referiu o responsável pela organização.

A adesão dos artistas ao Paratissima Lisboa está a ser "fantástica", desde artistas estabelecidos a artistas emergentes, estimando que 80% são nacionais, sobretudo lisboetas, e os restantes 20% são estrangeiros, revelou Vitor Barros.

Neste momento, a organização está a realizar visitas técnicas aos bairros históricos para que os artistas se sintam "inspirados" na criação das obras de arte, explicou o responsável, informando que as inscrições decorrem até 30 de abril.

"O desafio para os artistas, embora não exista um tema, é que tentem adequar o mais possível as suas obras ao espaço onde elas se vão inserir", declarou Vitor Barros, acrescentando que deve haver um envolvimento com os moradores e um conhecimento das características históricas, sociais e arquitetónicas do território.

O Paratissima Lisboa vai ser um evento de "arte pública 'site-specific', pensado no território", reforçou uma das organizadoras Chiara Pussetti, considerando que é importante a componente etnográfica para que obras de artes criadas reflitam a identidade dos bairros.

"Que seja um evento quanto mais possível participativo, comunitário, que ao mesmo tempo possa dar visibilidade aos artistas emergentes", defendeu Chiara Pussetti, sublinhando ainda que "o percurso revela zonas dos bairros que não são as mais turísticas, que não são as mais conhecidas da própria população da cidade".

Vitor Barros e Chiara Pussetti fazem parte da direção do EBANOCollective, que é responsável pela organização do Paratissima Lisboa, tendo como promotora a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, responsável pelo espaço público deste território.

Segundo o autarca de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, este evento terá "um impacto muito importante na economia deste território" e dará "mais prestígio à freguesia", afirmando que é importante diversificar a oferta cultural.

Para Miguel Coelho, o Paratissima "é a liberdade criativa no seu máximo", considerando que "vai ser um momento único" na cidade de Lisboa.

"A nossa expectativa é que isto vá correr bem e, correndo bem, a nossa vontade é continuar com este projeto aqui todos os anos", frisou o autarca, informando que a Junta está disponível para adquirir algumas das obras de arte expostas no Paratissima.

Em relação ao investimento na organização do evento, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior disse à Lusa que "não deve ultrapassar os 60 mil euros", explicando que vai depender dos patrocínios angariados.

Lusa

  • Fachada de prédio desaba em bairro de Lisboa
    0:45

    País

    Parte de um prédio desabou esta quinta-feira no bairro de Alfama, em Lisboa. O incidente não fez vítimas. Ainda não se sabe o que fez ceder o muro que suportava o edificio em ruínas. O prédio histórico estava em obras para a construção de um hotel de charme. Nesta altura, estão a ser avaliados os danos nas canalizações de gás que ficaram à vista, mas o comandante dos Bombeiros Sapadores de Lisboa, Ângelo Pereira, garante que não há qualquer perigo para os moradores dos prédios vizinhos.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.