sicnot

Perfil

Cultura

Festival Monstra exibe mais de 600 filmes de animação a partir de 5ª feira

Até ao dia 13, o Monstra apresentará mais de 600 filmes de animação para todos os públicos, incluindo pela primeira vez para bebés, e contará com a presença de vários convidados, como o realizador norte-americano Bill Plympton, que regressa ao festival onde esteve em 2010, e o húngaro Áron Gauder. O cinema de animação croata, nascido nos anos 1950 na escola de cinema de Zagreb, com realizadores como Dusan Vukoti e Vlado Kristl, marcará a abertura, na quinta-feira, do Monstra, Festival de Cinema de Animação de Lisboa.

© Stefan Wermuth / Reuters

Com o cinema São Jorge como ponto central da programação, o Monstra dedicará a edição deste ano ao cinema de animação de quatro países que compuseram a ex-Jugoslávia: Croácia, Bósnia, Eslovénia e Sérvia. Serão mais de cem filmes destes países, repartidos por várias retrospetivas, entre as quais uma que é dedicada ao croata Dusan Vukotic, que, em 1961, ganhou um Óscar com o filme "Surogat".

Entre as estreias do Monstra contam-se a curta-metragem "Estilhaços", de José Miguel Ribeiro, com a guerra colonial em pano de fundo, "Minúsculos - O vale das formigas", de Hélène Giraud e Thomas Szabo, e "O profeta", filme coletivo que conta, entre os realizadores, com nomes como Roger Allers, Tomm Moore, Joan Sfar e Bill Plympton, e que está em competição na Monstra.

Do Japão, que tem tido uma presença recorrente no festival, serão mostrados, por exemplo, "Memórias de Marnie" (2015), de Hiromasa Yonebayashi, "Metropolis" (2001), de Rintaro, e "Quando o vento sopra" (1986), de Jimmy Murakami, para o qual David Bowie compôs a canção oficial.

Nesta edição, a Monstra celebrará ainda os 25 anos das produtoras Animais e Animanostra, que incluirá sessões de cinema e um cine-concerto, e o músico noiserv vai escolher telediscos de animação de artistas de eleição.

O cinema de animação é o núcleo duro do Monstra, mas a programação é transversal, em diálogo com várias instituições da cidade, de escolas a museus.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.