sicnot

Perfil

Cultura

O festival Monstra anima a exibição de filmes com música ao vivo

O Monstra - Festival de Animação de Lisboa organiza, com o Hot Club de Portugal, na terça-feira, uma sessão de cinema, com jazz ao vivo, tocado pelos alunos da Escola Luiz Villas-Boas.

© Agencja Gazeta / Reuters

A sessão tem início às 22:00, no palco do 'Hot', na praça da Alegria, e conta com uma dezena de curtas-metragens de diferentes realizadores, provenientes de países como Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, França e Israel.

O diretor artístico do festival, Fernando Galrito, disse à Lusa que a sessão de terça-feira tem um "ingrediente particular, que é um concerto, não só para ouvir mas também para ver". Quanto às músicas selecionadas, a organização da Monstra indicou ao Hot Club para seguirem a banda sonora original dos filmes.

A presidente do HCP, Inês Cunha, explicou à Lusa que a composição e adaptação das melodias, para o concerto, exigiu o pré-visionamento das 'curtas'. A fase seguinte consistiu na escolha dos alunos da escola do 'Hot', "aptos para fazer música", e seguir a cadência dos filmes, projetados em simultâneo.

O diretor artístico da Monstra adianta que o objetivo da sessão é demonstrar "que o cinema de animação não é exclusivo para crianças e que toca todas as artes". Permite ao público habitual do 'Hot' ter contacto com o cinema de animação, explorando "uma linguagem transversal e de transdisciplinaridade que toca ou pode tocar muito as linguagens" da sua preferência, "neste caso o jazz," afirmou.

Para Inês Cunha, a parceria "vai aglutinar, à volta do jazz e das 'curtas', pessoas que, se calhar, não têm a ver com nenhuma das duas áreas, mas que estão curiosas em relação a como aquilo vai funcionar".

Fernando Galrito acredita que a iniciativa pode ser benéfica nos dois sentidos: as pessoas que vêm pela Monstra podem estar "menos sensíveis ao jazz", e assistir "àquele encontro entre filmes e música pode abrir-lhes o apetite para começarem a ir ao Hot Club".

É uma posição partilhada por Inês Cunha que acha interessante "cruzar áreas", acrescentando que é bom para os alunos e para "dinamizar a própria escola": "Põe-nos [aos alunos] a pensar" e "a trabalhar em áreas diferentes e a equacionar aquilo" que "fazem noutra perspetiva". "É sempre interessante, e eles estão animadíssimos," indica a presidente do 'Hot'.

Os frequentadores do clube de jazz podem igualmente, na opinião de Fernando Galrito, encontrar no cinema de animação um "ponto de referência" e começar a vê-lo "com frequência", "não apenas no festival Monstra, mas também ao longo do ano", em outros festivais.

Os organizadores do Monstra programaram outra iniciativa, que liga a animação à música, para o dia 18, no Cinema Ideal, no Chiado, com a exibição de vídeos de artistas portugueses e internacionais, que usaram a animação para ilustrar os seus temas.

O músico português Noiserv, júri da Monstra do ano passado, selecionou os vídeos, entre os quais, se encontram bandas como Sigur Rós, Foals ou Radiohead. O diretor artístico do festival garante que "quem gostar desta temática" vai poder encontrar "filmes muito interessantes."

O Monstra teve início no passado dia 03 e, até ao próximo domingo, apresentará mais de 600 filmes para todos os públicos.

Toda a programação está disponível em www.monstrafestival.com.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.