sicnot

Perfil

Cultura

Saxofonista Kamasi Washington no Porto e em Lisboa em junho

O saxofonista Kamasi Washington, autor de um dos álbuns mais elogiados de 2015, vai passar por Portugal nos próximos dias 6 e 7 de junho, na Casa da Música, no Porto, e no Tivoli, em Lisboa, respetivamente.

(Reuters/Arquivo)

Em comunicado, a promotora Uguru anunciou os dois concertos, com preços a partir de 35 euros para o Porto e a partir 20 para Lisboa.

"Kamasi Washington é um fenómeno. E uma raridade. 'The Epic', o álbum que lançou o ano passado, recolheu elogios de toda a imprensa - da Pitchfork ao New York Times - e posicionou-se destacado nas listas de melhores registos do ano em todo o lado. Foi o melhor disco de jazz de 2015 para a Blitz, por exemplo", referiu a organização.

"The Epic", nas suas três horas de duração, foi um "álbum como nenhum outro lançado em 2015", escreveu o The Guardian que o colocou em oitavo na lista de melhores de 2015, enquanto a Pitchfork referiu que o álbum soa "a uma intervenção geracional, uma ferramenta educativa que amplia a definição de estilos que caem sob o que é 'classicismo de jazz'".

Para além do seu primeiro registo em nome próprio, Kamasi Washington também participou em "To Pimp a Butterfly", de Kendrick Lamar, mantendo ligações a nomes como Thundercat ou Erykah Badu.

Na semana passada foi anunciado que Kamasi Washington recebeu a edição inaugural do American Music Prize para melhor álbum de estreia, tendo o artista dito que despejou a sua "alma e coração" no disco.

"A celebração da música, da arte e da criatividade é tão importante. (...) Estou cheio de entusiasmo e verdadeiramente inspirado para o que o futuro reserva", disse Washington em reação ao prémio, citado pela organização do galardão.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08