sicnot

Perfil

Cultura

Restauração do Museu de Língua Portuguesa custará 440 mil euros

A recuperação do Museu da Língua Portuguesa e da Estação da Luz, que sofreram um incêndio em dezembro passado, deve custar 440 mil euros, segundo estimativas divulgadas hoje pelo governo do Estado de São Paulo.

A obra de recuperação começou hoje com a apresentação de um cronograma para fazer a libertação das entradas principais da estação e também a preparação do conjunto arquitetónico para a etapa seguinte de restauro e recuperação.

A previsão inicial do governo do Estado de São Paulo é que os trabalhos desta fase sejam concluídos em 10 semanas.

Em janeiro, foi assinado um convénio entre a Secretaria de Cultura, a Fundação Roberto Marinho e a organização social ID Brasil para a reconstrução do Museu da Língua Portuguesa.

A parceria contempla ainda revisões da conceção de curadoria e de exposição.

A proposta é tomar como base o projeto arquitetónico desenvolvido pelos arquitetos Pedro e Paulo Mendes da Rocha.

O Museu da Língua Portuguesa foi inaugurado em 2006 no edifício Estação da Luz, no centro de São Paulo, tendo como base uma construção histórica datada de 1901 que já havia sido atingida por outro incêndio, em 1946.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.