sicnot

Perfil

Cultura

Obra de Hitler "Mein Kampf" é bestseller na Alemanha

Uma nova versão com anotações da obra de Adolf Hitler "Mein Kampf" é um bestseller na Alemanha. A republicação do livro é a primeira desde a Segunda Guerra Mundial. Com 24.000 cópias vendidas em apenas sete semanas, o recorde está a gerar alguma controvérsia.

© Michael Dalder / Reuters

Peter Ross Range, correspondente do The Washington Post na Alemanha, considera que não há nenhuma razão para pensar que o manifesto de Hitler é responsável pela hostilidade em relação aos refugiados. Em 1.966 páginas, a edição de dois volumes tem 3.700 notas de rodapé e anotações académicas.


Esta nova edição é destinada principalmente a professores, académicos e jornalistas - "multiplicadores de conhecimento", nas palavras do historiador Andreas Wirsching, diretor do reconhecido Instituto de História Contemporânea de Munique, que publicou o livro. Mas, o novo "Mein Kampf" tornou-se, obviamente, num objeto de intensa curiosidade pelo mais diverso público.


A súbita popularidade do livro deve, no entender de Peter Ross Range, ser vista como um bom sinal. Isto significa que os alemães, mesmo três gerações após a guerra, ainda procuram compreender o que correu mal. Os jovens alemães de hoje, criados em plena democracia, querem saber mais sobre a sua história. Importa também não esquecer que "Mein Kampf" tem sido até agora tratada como material de tabu, o que também poderá contribuir para uma maior curiosidade sobre a obra, refere o correspondente do The Washington Post.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.