sicnot

Perfil

Cultura

Ator italiano Riccardo Garrone morreu aos 90 anos em Milão

O ator italiano Riccardo Garrone, que participou em filmes como "La dolce vita", de Federico Fellini, morreu hoje em Milão aos 90 anos, informaram meios de comunicação social locais.

Conhecido em Itália por ser um dos protagonistas dos filmes de comédia no país, Garrone dedicou mais de 50 anos da sua vida ao mundo do cinema e da televisão.

No grande ecrã trabalhou como ator secundário em "La dolce vita" de Fellini e sob a direção de realizadores como Mario Monicelli, Dino Risi, Luigi Zampa, Ettore Scola e Damiano Damiani.

Em televisão, um dos seus papéis mais importantes foi o de Nicola Sorali, em 1998, na série italiana "Un medico in famiglia". Mais recentemente fez de São Pedro no anúncio de uma conhecida marca de café italiana.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".