sicnot

Perfil

Cultura

Sony compra parte de Michael Jackson no maior catálogo musical do mundo

A Sony informou hoje que vai adquirir a participação de 50% que o falecido Michael Jackson detinha na Sony/ATV, o maior selo da edição musical do mundo.

© Reuters Photographer / Reuter

A multinacional e os gestores do património de Michael Jackson acordaram a aquisição por parte da Sony Entertainment, o ramo de conteúdos audiovisuais da Sony, de 50% da sociedade, num negócio avaliado em cerca de 750 milhões de dólares (pouco mais de 675 milhões de euros).

Jackson, falecido em 2009, ficou com o catálogo em 1984 e a Sony propôs-lhe, uma década mais tarde, comprar metade do mesmo mediante a fusão da ATV e da Sony Music.

A Sony estabelece-se assim como a única proprietária do gigantesco catálogo, que inclui material de quase todos os grandes artistas musicais das últimas décadas, desde os Beatles e Rolling Stones até Rihanna ou Taylor Swift.

O grupo japonês decidiu em setembro do ano passado acionar uma cláusula que constava do contrato que dava a opção, a cada uma das partes, de ficar com a totalidade da sociedade.

"Esta aquisição permitirá à Sony adaptar-se mais rapidamente às mudanças no negócio da edição musical", explicou o conselheiro delegado da Sony Entertainment, Michael Lynton, em comunicado.

Ambas as partes concretizarão o acordo alcançado hoje a 31 de março, segundo o texto.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41