sicnot

Perfil

Cultura

Sony compra parte de Michael Jackson no maior catálogo musical do mundo

A Sony informou hoje que vai adquirir a participação de 50% que o falecido Michael Jackson detinha na Sony/ATV, o maior selo da edição musical do mundo.

© Reuters Photographer / Reuter

A multinacional e os gestores do património de Michael Jackson acordaram a aquisição por parte da Sony Entertainment, o ramo de conteúdos audiovisuais da Sony, de 50% da sociedade, num negócio avaliado em cerca de 750 milhões de dólares (pouco mais de 675 milhões de euros).

Jackson, falecido em 2009, ficou com o catálogo em 1984 e a Sony propôs-lhe, uma década mais tarde, comprar metade do mesmo mediante a fusão da ATV e da Sony Music.

A Sony estabelece-se assim como a única proprietária do gigantesco catálogo, que inclui material de quase todos os grandes artistas musicais das últimas décadas, desde os Beatles e Rolling Stones até Rihanna ou Taylor Swift.

O grupo japonês decidiu em setembro do ano passado acionar uma cláusula que constava do contrato que dava a opção, a cada uma das partes, de ficar com a totalidade da sociedade.

"Esta aquisição permitirá à Sony adaptar-se mais rapidamente às mudanças no negócio da edição musical", explicou o conselheiro delegado da Sony Entertainment, Michael Lynton, em comunicado.

Ambas as partes concretizarão o acordo alcançado hoje a 31 de março, segundo o texto.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.