sicnot

Perfil

Cultura

Presidente da República felicita Manuel Alegre por Prémio Vida Literária

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitou o escritor Manuel Alegre pela atribuição do Prémio Vida Literária, considerando que "marcou, como poucos, a literatura e a política do seu tempo".

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

"Manuel Alegre marcou, como poucos, a literatura e a política do seu tempo. Praça da Canção e O Canto e as Armas conquistaram uma dimensão singular na poesia portuguesa: poemas empenhados, poemas de uma geração, passaram de mão em mão, muitas vezes em edições clandestinas. Muitos deles foram cantados pelos nomes cimeiros da canção de intervenção, tornando-se conhecidos de todos", refere a nota de felicitações publicada no site da Presidência da República.

O Prémio Vida Literária 2015/1016, dotado de 22.500 euros e promovido pela Associação Portuguesa de Escritores, foi atribuído na sexta-feira ao escritor Manuel Alegre.

"A direção, constituída em júri, como desde sempre nesta iniciativa, deliberou por unanimidade, considerando o longo percurso literário do autor, de um tempo prévio a 'Praça da Canção', à atualidade, [com] 'Uma outra memória'", um percurso "muito premiado e reconhecido pelos leitores e pela crítica, em termos que tornam inconfundível a sua presença de poeta, narrador, cronista, ensaísta, na esfera cultural do país" atribuir o galardão ao Manuel Alegre, lê-se no comunicado divulgado.

Na nota de felicitações, a Presidência da República lembra Manuel Alegre como "poeta da resistência", que continuou já em democracia a "publicar poemas que se mantêm fiéis a um diálogo intenso com a História".

"Uma vida cívica que foi sempre também uma vida poética", remata o texto de felicitações do Presidente da República.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".