sicnot

Perfil

Cultura

"A volta ao mundo em 80 concertos" com 1700 intérpretes no CCB

A programação d'Os Dias da Música, que se realizam de 22 a 24 de abril, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, envolve 1700 músicos e foi hoje apresentada pela nova equipa da instituição, liderada por Elísio Summavielle.

"A volta ao mundo em 80 concertos" é o mote da programação da iniciativa, que mobiliza diferentes salas do CCB, além do pequeno e do grande auditório, que inclui os Mini Dias da Música, palestras e um mercado.

A estreia da peça "Illuminations", de Miguel Azguime, pela Orquestra de Câmara Portuguesa, sob a direção de Pedro Carneiro, no dia 24 de abril, destaca-se da programação.

Esta 10.ª edição dos Dias da Música inspira-se no romance de Júlio Verne, "A volta ao mundo em 80 dias", e são esperadas 20.000 pessoas, disse Elísio Summavielle, que se referiu à iniciativa como uma marca do CCB, que tem tido anos de sucesso e é uma referência cultural de Lisboa e do país.

Tal como nas anteriores edições, o orçamento desta é de 500.000 euros, tendo a Câmara de Lisboa participado com 70.000 euros e a Caixa Geral de Depósitos, enquanto mecenas, com 40.000, disse Miguel Leal Coelho, do conselho de administração, segundo o qual a evolução do público tem sido constante, apontando uma taxa de ocupação acima dos 80%.

Um dos grupos que se estreia no certame é a Orquestra XXI, composta exclusivamente por músicos portugueses que tocam em orquestras estrangeiras e que, sob a direção do maestro Dinis Sousa, irá interpretar o concerto "Por terras da Escócia", constituído por peças de Felix Mendelssohn.

Outro agrupamento que se estreia é a Jovem Orquestra Portuguesa, composta por mais de cem músicos de diferentes regiões do país, que, sob a direção musical de Pedro Carneiro, apresentarão dois concertos, "O norte da Europa" e "Elogio da América". No primeiro tocam peças de Jon Leifs e Edward Elgar, no segundo, a Sinfonia "Do Novo Mundo", a nona de Dvorak.

Sob mote de "A volta ao mundo em 80 concertos", a proposta é, esclareceu o programador dos Dias da Música, André Cunha Leal, dar a conhecer não só diferentes estilos musicais como proporcionar uma viagem a determinados espaços geográficos.

Um dos concertos que apontou como emblemático desta edição foi o da pianista Luísa Tender, "A volta ao mundo de Phileas Fogg", em que irá interpretar "Cinco variações sobre Rule, Britannia", de Beethoven, uma dança, de Liszt, e o dueto final da ópera "Aida", de Verdi, "Fantasia sobre Aida", de Leybach, o noturno "Pagodes, Estampes", de Debussy, "Sea pieces", de MacDowell, e "Sete variações sobre 'God save the king'", de Beethoven.

Outro concerto realçado por Cunha Leal foi o de encerramento, pela Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de S. Carlos, sob a direção musical de Domenico Longo, sendo solistas a soprano Cristiana Oliveira e a meio-soprano Cátia Moreira, que abre com a quarta marcha de "Pompa e Circunstância", de Elgar, e termina também com outra marcha do mesmo ciclo do compositor britânico, a primeira, "Land of Hope and Glory".

Elísio Summavielle realçou a importância de celebrar "a música como elemento de união entre os povos", e realçou a participação do duo Amal, formado por dois pianistas, um israelita e outro palestiniano, que protagonizam dois concertos, ambos intitulados "Uma parceria israelo-palestiniana".

Entre outros compositores, os pianistas vão interpretar os compositores Paul Ben Haim e Avner Dorman, de Israel, o árabe Wissam Jourbran, e canções populares judaicas e árabes.

Os Dias da Música são antecipados pelo filme/concerto "Rondó da carpideira", no cinema S. Jorge, numa parceria com o Festival IndieLisboa.

O filme parte da investigação do etnomusicólogo Michel Giacommetti, sobre os cantares populares de várias regiões do país - um concerto multidisciplinar com vídeo de Gonçalo Tarquínio, em que o pianista Daniel Marques e o saxofonista Mário Marques, "inspirados pelas recolhas Giacometti, improvisam num jazz muito português", explicou Cunha Leal.

O concerto de abertura desta edição de Os Dias da Música, é feito pela Orquestra Sinfónica Metropolitana, sob a batuta de Pedro Amaral, sendo solista o pianista Josep Colom. Serão interpretadas obras de Debussy, Falla e Rimsky-Korsakov.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.