sicnot

Perfil

Cultura

Divulgadas imagens da arma com que Kurt Cobain se suicidou

A polícia de Seattle divulgou fotos da arma usada por Kurt Cobain para se suicidar, há mais de 20 anos. Mike Ciesynski, detetive responsável do caso, surge nas imagens a segurar a espingarda de calibre 20, em diferentes ângulos. Desconhece-se ainda o motivo que levou à divulgação das imagens.

Seattle Police via AP

Seattle Police via AP

As fotos foram tiradas em junho de 2015, só foram colocadas nos ficheiros informáticos da polícia de Seattle no início deste mês e são agora tornadas públicas. Não se sabe porque é que a arma foi fotografada no ano passado e porque razão as fotografias são agora publicadas na Internet.

Em 2014, assinalam-se os 20 anos da morte do músico. Nessa altura, o caso foi revisto pelo detetive Ciesynski que considerou não existirem novas informações que viessem alterar o veredicto que sempre deu como certo o suicídio de Kurt Cobain.

No início de abril de 1994, com apenas 27 anos, o vocalista dos Nirvana, banda de referência do grunge, pôs fim à vida com um tiro de espingarda. O corpo foi encontrado no dia 8 desse mês. De acordo com a investigação, antes do disparo Kurt Cobain tinha consumido uma grande dose de heroína.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".