sicnot

Perfil

Cultura

Morreu o escritor e académico francês Alain Decaux

O escritor e académico francês Alain Decaux, que colocou a História acessível a todos através da rádio e da televisão, morreu hoje com 90 anos.

© Charles Platiau / Reuters

Tão bom a narrar como a escrever, este homem de olhar benevolente, de voz alegre e suave, sabia contar o passado como se o tivesse vivido.

"O senhor é parte da paisagem francesa", disse-lhe o presidente francês François Mitterrand, quando Alain Decaux era ministro da Francofonia (1988-1991).

O historiador, não universitário, foi responsável por sessenta livros, milhares de emissões de rádio e televisão, de argumentos de filmes e de peças.

"Nunca saberei se O Conde de Monte Cristo (livro de Alexandre Dumas) me salvou a vida, mas devo-lhe a minha paixão pela História", disse Alain Decaux, depois de se ter batido pela admissão dos restos mortais de Alexandre Dumas no Panteão.

Em 1951, Alain Decaux estreia na Radiodifusão francesa, com André Castelot (que morreu em 2004), "La Tribune de l'histoire", programa que seria difundido semanalmente sem interrupções até 1997.

Para a televisão francesa criou "La caméra explore le temps" (com Stellio Lorenzi e André Castelot), exibido de 1957 a 1966.

Em Portugal foi editado, pelo menos, "A Revolução da Cruz - Nero e os Cristãos" de Alain Decaux.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52