sicnot

Perfil

Cultura

Morreu o Nobel da Literatura Imre Kertész

O escritor húngaro Imre Kertész foi prémio Nobel da Literatura em 2002 e morreu hoje, em sua casa, em Budapeste, aos 86 anos, informou a agência noticiosa MTI.

© Reuters Photographer / Reuter

Imre Kertész era um judeu húngaro que foi deportado para Auschwitz aos 15 anos na sequência de perseguições nazis. As suas obras ficaram marcadas pelo Holocausto.

Anos mais tarde, foi transferido de Auschwitz para o campo de concentração de Buchenwald, de onde foi libertado em 1945 pelas tropas norte-americanas.

Depois da guerra, foi jornalista e tradutor de autores alemães.

A sua obra mais conhecida, "Sem Destino", descreve a experiência de um rapaz de 15 anos nos campos de concentração de Auschwitz, Buchenwald e Zeitz.

Com Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.