sicnot

Perfil

Cultura

Músico processa Royal Opera House por problema auditivo irreversível

Um músico processou a Royal Opera House, em Londres, considerando que lhe arruinou a carreira ao colocá-lo durante os ensaios à frente da secção de metais, o que lhe causou um problema auditivo irreversível.

© Reuters Photographer / Reuter

Chris Goldscheider, que toca viola de arco, alega que em 2012 o seu ouvido ficou "irremediavelmente danificado" durante os ensaios musicais para preparar a ópera "A Valquíria" de Richard Wagner, "devido ao facto da secção de metais estar colocada" atrás de si, de acordo com o processo.

O som a que o músico esteve exposto durante as sessões de ensaio chegou a alcançar uma intensidade de 137 decibéis, o equivalente ao de um motor de um avião.

De acordo com a BBC, citada pela agência noticiosa espanhola EFE, a queixa refere que o ruído causou ao músico um dano traumático permanente.

Filho de um compositor, Goldscheider ensaiava até seis horas por dia desde os 10 anos. Músico profissional há 25 anos, tocou na Filarmónica de Liverpool e nas Orquestras Sinfónicas da BBC antes de se juntar à Royal Opera House em 2002.

"A música constituía o meu rendimento. Era tudo para mim", afirmou o músico, de 46 anos.

A Royal Opera House negou a sua responsabilidade, embora cerca de um quarto dos 100 músicos da orquestra tenha relatado problemas auditivos ocasionais.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.