sicnot

Perfil

Cultura

Músico processa Royal Opera House por problema auditivo irreversível

Um músico processou a Royal Opera House, em Londres, considerando que lhe arruinou a carreira ao colocá-lo durante os ensaios à frente da secção de metais, o que lhe causou um problema auditivo irreversível.

© Reuters Photographer / Reuter

Chris Goldscheider, que toca viola de arco, alega que em 2012 o seu ouvido ficou "irremediavelmente danificado" durante os ensaios musicais para preparar a ópera "A Valquíria" de Richard Wagner, "devido ao facto da secção de metais estar colocada" atrás de si, de acordo com o processo.

O som a que o músico esteve exposto durante as sessões de ensaio chegou a alcançar uma intensidade de 137 decibéis, o equivalente ao de um motor de um avião.

De acordo com a BBC, citada pela agência noticiosa espanhola EFE, a queixa refere que o ruído causou ao músico um dano traumático permanente.

Filho de um compositor, Goldscheider ensaiava até seis horas por dia desde os 10 anos. Músico profissional há 25 anos, tocou na Filarmónica de Liverpool e nas Orquestras Sinfónicas da BBC antes de se juntar à Royal Opera House em 2002.

"A música constituía o meu rendimento. Era tudo para mim", afirmou o músico, de 46 anos.

A Royal Opera House negou a sua responsabilidade, embora cerca de um quarto dos 100 músicos da orquestra tenha relatado problemas auditivos ocasionais.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.