sicnot

Perfil

Cultura

Obra de Munch roubada em 2009 encontrada na Noruega

Uma litografia de Edvard Munch, roubada de uma galeria de arte em Oslo em 2009, foi encontrada no início da semana e dois homens foram detidos por "encobrimento agravado", anunciou hoje a polícia norueguesa.

OSLO POLICE / HANDOUT

O desenho do pintor que é reconhecido internacional pela obra "O Grito" está intacto, segundo precisou a polícia de Oslo, num comunicado.

A litografia em questão, intitulada "História", mostra um homem de idade, com barba, que está vestido com roupas remendadas e que está a falar com um rapaz.

A obra foi roubada em novembro de 2009 por um desconhecido que partiu a montra da galeria Nyborg Kunst, em Oslo.

O valor estimado da litografia ronda os 240 mil euros, mas os peritos acreditam que o facto de a obra ser muito conhecida terá dificultado a sua venda no mercado de arte.

A polícia referiu que a obra foi recuperada na segunda-feira, sem especificar pormenores da operação.

Dois homens foram detidos no início da semana por "encobrimento agravado", mas não pelo roubo da obra. A identidade dos suspeitos não foi revelada.

A obra do pintor norueguês Edvard Munch (1863-1944), um dos precursores do expressionismo alemão, tem sido alvo de diversos roubos nos últimos anos.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.